O arcebispo da Paraíba, Dom Aldo Pagotto (foto), foi acusado pelos vereadores Watteau Rodrigues(PCdoB) e o padre Adelino(PSB), de ser solidário ao governador Cássio Cunha Lima(PSDB), recentemente cassado pelo TSE, por ter recebido do governo mais de R$ 1 milhão.

Os vereadores Watteau Rodrigues(PCdoB) e o padre Adelino(PSB) polemizaram nesta quarta-feira, 26, acerca da postura do arcebispo da Paraíba, Dom Aldo Pagotto (foto), em prestar solidariedade ao governador cassado, Cássio Cunha Lima(PSDB).

Segundo Watteau, o arcebispo ficou solidário com o governador porque a Igreja Católica foi beneficiada pelo governo com R$ 1, 600 mil.

“Dom Aldo é um bispo politiqueiro e conservador. A Igreja Católica foi beneficiada com recursos do governo, recursos que ultrapassam R$ 1 milhão, e por isso se deixou influenciar por esse dinheiro”, disse Watteau. “Agora ficou claro porque a Arquidiocese tomou partido”, acrescentou o vereador, que mantém sua decisão de apresentar um voto de repúdio na Câmara a Dom Pagotto.

“Os recursos da Igreja foram todos concentrados nas mãos do arcebispo e isso não era assim, e é legítimo o pastor João Filho querer exigir prestação de contas desses recursos”, acrescentou Watteau.

O vereador padre Adelino reagiu e saiu em defesa do chefe da Igreja Católica na Paraíba. “Admiro o vereador Watteau, mas ele é ateu, é do Partido Comunista e não tem fé, por isso ataca o arcebispo. Mas eu não sou pastor revoltado contra a Igreja Católica, por isso eu defendo o meu arcebispo”, disse Adelino.

Adelino insinuou que Watteau tem interesse em assumir cargos no futuro governo Maranhão e procurou justificar os recursos repassados pelo governo para a Igreja.

“Gostaria de saber como é que o pastor João Filho, que é presidente de um partido, sempre está ao lado do prefeito Ricardo Coutinho, se atreve a dar opiniões sobre o nosso arcebispo?” indagou Adelino.

Segundo o vereador, há transparência nos recursos do governo destinados à Igreja Católica. “Se o pastor João Filho tivesse mais paciência, consultaria o tribunal de Contas, e ficaria sabendo que esses recursos são repassados para a Igreja desde o governo Burity, para o Centro Cultural São Francisco e para a Usina de Produção de Leite”, disse justificou Adelino.

Deputados governistas aprovam voto de aplauso para Dom Aldo

Os deputados da base do governador Cássio Cunha Lima(PSDB), aprovaram nesta quarta-feira, 26, um voto de aplauso para o arcebispo da Paraíba, Dom Aldo Pagotto, por ter ficado solidário com o governador quando da confirmação da cassação do seu mandato pelo TSE. Deputados de oposição não participaram da votação.

A propositura foi feita pelo deputado Lindolfo Pires(DEM). Vários parlamentares governistas ocuparam a tribuna para elogiar o posicionamento de Dom Aldo. Eles também repudiaram as declarações feitas nesta quinta-feira, pelo vereador Watteau Rodrigues(PCdoB), que revelou ter o arcebispo recebido mais de R$ 1 milhão do governo decorrentes de convênios entre a Igreja Católica e o governo.

Já o deputado José Aldmir(DEM) encaminhou requerimento escrito à mesa diretora pedindo a abertura de processo contra o jornalista Helder Moura, por ter revelado o pagamento de jetons aos deputados por ocasião da realização das 17 sessões extraordinárias.

“Foi uma calúnia e uma injúria, porque não recebemos dinheiro para participar das sessões como ele escreveu na sua coluna”, disse Aldemir.

Na última sexta-feira, Dom Aldo foi ao Palácio da Redenção, onde chorou, dizendo-se “decepcionado” com a cassação e pedidndo “levante” do povo contra a decisão do TSE, que confirmara na quinta-feira a cassação do mandato de Cássio.

Fonte: Paraíba Online