Andrew Brunson falando sobre a intolerância religiosa crescente na Turquia, durante uma audiência realizada no Capitólio dos EUA. (Foto: Christian Post)
Andrew Brunson falando sobre a intolerância religiosa crescente na Turquia, durante uma audiência realizada no Capitólio dos EUA. (Foto: Christian Post)

O pastor americano Andrew Brunson, que foi preso na Turquia por dois anos devido à sua fé, acredita que a perseguição aos cristãos nos Estados Unidos vai se intensificar por causa da “hostilidade” contra as pessoas que defendem o ensino de Jesus Cristo.

“As pressões que estamos vendo em nosso país agora vão aumentar, e uma dessas pressões será a hostilidade contra as pessoas que abraçam o ensino de Jesus Cristo, que não têm vergonha de defendê-Lo”, disse Brunson durante o evento virtual “Oração Global pela Integridade na Eleição dos EUA”.

Brunson, que atuou como missionário na Turquia por mais de 20 anos, disse que colocou o foco em seu país de origem e tem sido tomado por um “sentimento de urgência” pelos EUA. “Não estamos prontos para essa pressão” e “não estar preparado é muito perigoso”, alertou.

“Independente de quem acabar vencendo essa eleição, acredito que a perseguição está chegando; e vai chegar rápido e em breve. Se o presidente Trump prevalecer, isso vai atrasar a perseguição em nível governamental, mas não vai nos livrar da hostilidade que está crescendo em nossa sociedade contra os seguidores de Jesus”, alertou Brunson.

“Jesus foi a pessoa mais amorosa e gentil da história, e mesmo assim foi chamado de mau; então as pessoas não vão simplesmente discordar de nós. Elas vão dizer que somos maus e justificar tudo o que nos fizerem [contra nós] porque somos ‘pessoas más’. O que pesa em meu coração é que precisamos preparar nosso próprio coração”, avisa.

O pastor Brunson acredita que um dos propósitos que Deus teve para ele na prisão era “aprender a perseverar em um nível mais profundo”. Hoje ele quer ajudar a igreja a estar preparada para perseverar.

Em março, o pastor já havia advertido sobre os desafios dos cristãos nos EUA, diante de uma cultura que está se tornando cada vez mais “hostil” aos valores bíblicos.

“Há um preço por seguir Jesus. Nós ouvimos sobre o preço que é pago em outros países, mas, cada vez mais, acho que haverá um preço a ser pago aqui”, disse ele em um evento de mídia cristã da National Religious Broadcasters em Nashville, no estado do Tennessee.

“É normal ter medo. A questão é: você resistirá apesar de seu medo? Você permanecerá fiel? No final, as pessoas vão pagar um preço por causa do Evangelho. No exterior, sim, mas também aqui… há um custo em seguir Jesus”, destacou.

Fonte: Guia-me com informações de The Christian Post