Pastor Otoni de Paula
Pastor Otoni de Paula

Nesta quarta-feira (6), o deputado federal e pastor Otoni de Paula (PSC-RJ) informou que pediu ao governo para ser afastado da vice-liderança do governo.

A medida ocorre após ele publicar um vídeo com críticas ao ministro Alexandre de Moraes, do Supremo Tribunal Federal (STF).

Em entrevista à rádio Jovem Pan, o parlamentar afirmou que entregou uma carta ao governo pedindo para ser afastado para evitar que tentem associar suas declarações ao presidente Jair Bolsonaro.

– Entreguei minha carta pedindo a minha saída, ainda que temporária, da vice-liderança do governo. Fiz essa carta justamente por entender esse jogo político contra o presidente, porque tentariam colocar minha fala como uma fala que estivesse representando o presidente, o Palácio do Planalto – explicou.

Em um vídeo publicado em suas redes sociais, Otoni de Paula criticou Alexandre de Moraes após ele determinar a soltura do jornalista Oswaldo Eustáquio. Na gravação, ele chamou o ministro de “lixo”, “esgoto do STF”, “canalha” e outros termos. Durante a entrevista desta quarta, o deputado disse que suas críticas foram motivadas pela injustiça.

– Fui movido pela indignação dos justos. Eu fiz o vídeo porque o ministro Alexandre de Moraes manteve um jornalista preso por cinco dias, depois renovou a prisão por mais cinco. Questionado, ele disse que manteve a prisão para proteger as investigações. Depois desse ato ditatorial, ele resolveu impedir o Oswaldo de usar as suas redes sociais. Ele está impedindo um brasileiro de colocar o pão na sua mesa, até porque o trabalho do Oswaldo também é esse – ressaltou.

Ele ainda afirmou que, apesar de não estar arrependido por suas declarações, poderia ter usado outros termos ao se referir a Alexandre de Moraes.

– Eu não me arrependo da minha manifestação enquanto manifestação de indignação. Talvez alguns adjetivos que eu tenha usado aquele momento tenham sido impróprios para o ministro, mas o conteúdo em si, a minha indignação eu mantenho, porque eu entendo que foi uma indignação de um cidadão brasileiro – destacou.

Fonte: Pleno News