Presos se entregam a Jesus em evento evangelístico. (Foto: Reprodução/UG News)
Presos se entregam a Jesus em evento evangelístico. (Foto: Reprodução/UG News)

Extremistas muçulmanos mataram um pastor no norte de Uganda no sábado (31 de outubro) depois que ele comparou o cristianismo e o islamismo em uma transmissão de rádio, disseram as fontes.

David Omara, pastor de 64 anos do Christian Church Center e um conhecido pregador de rádio local. Ele foi espancado e estrangulado após terminar sua transmissão em Aduku, distrito de Kwania, por volta das 21h, de acordo com seu filho, Simon Okut.

“Imediatamente após sua pregação, alguém telefonou para meu pai apreciando sua apresentação”, disse Okut ao Morning Star News por telefone.

“[A pessoa] então pediu que ele se encontrasse em algum lugar com alguns de seus amigos. Saímos da estação de rádio. Quando chegamos ao referido local, surgiram do mato seis pessoas vestidas em trajes islâmicos e começaram a estrangular e espancar meu pai com objetos contundentes”, contou.

Enquanto o espancavam, um dos agressores disse: “Este homem deveria morrer por usar o Alcorão e dizer que Alá não é Deus, mas um deus do mal que colabora com poderes satânicos”, disse Okut.

“Enquanto batiam em meu pai com objetos contundentes e o estrangulavam, fugi para salvar minha vida. Dois agressores correram atrás de mim, mas não conseguiram me segurar”, relatou o filho do pastor.

De acordo com o Morning Star News, os moradores da região ficaram chocados e tristes com o assassinato, e os membros da igreja estavam com medo de mais violência islâmica e tristes enquanto choravam por um enterro do pastor na quarta-feira (4).

Família

“Minha mãe chorou, desmaiou e desmaiou com gemidos profundos e foi internada no hospital”, disse Okut.

Ela foi tratada por choque que a deixou inconsciente, disse ele. Após a terapia eletroconvulsiva envolvendo estimulação do cérebro, ela ainda não reconhecia as pessoas, acrescentou.

Os associados elogiaram os muitos frutos do ministério do pastor Omara.

“Ele trabalhou incansavelmente pelo reino de Deus até o dia em que deu seu último suspiro”, disse um colega.

O pastor Omara deixou sua esposa e oito filhos com idades entre 30 e 10 anos.

“Precisamos de orações e apoio financeiro para a família Omara neste momento difícil, e uma rápida recuperação para sua viúva”, disse um líder da igreja ao Morning Star News.

O assassinato foi o mais recente de muitos casos de perseguição aos cristãos em Uganda que o Morning Star News documentou.

A constituição de Uganda e outras leis preveem a liberdade religiosa, incluindo o direito de propagar a própria fé e converter de uma fé para outra. Os muçulmanos representam não mais que 12 por cento da população de Uganda, com altas concentrações nas áreas orientais do país.

Fonte: Guia-me com informações de Morning Star News