Ccrucifixo sobre sangue (perseguição aos cristãos)
Ccrucifixo sobre sangue (perseguição aos cristãos)

Em 2022, mais de 360 milhões de cristãos ao redor do mundo enfrentam altos níveis de perseguição e discriminação por causa da fé em Jesus. A Lista Mundial da Perseguição 2022 mostra um aumento de quase 6% em relação ao ano anterior e a estimativa é que 1 em cada 7 cristãos no mundo enfrenta perseguição extrema, severa ou alta.

Na Lista Mundial da Perseguição (LMP) 2022, os 50 países classificaram níveis de perseguição extrema e severa. Além do Top50, outros 26 países ficaram na Lista de Países em Observação, sendo cinco deles com mais de 61 pontos e outros 21 com mais de 41 pontos. Com perseguição extrema, além dos países do Top10, também está a Arábia Saudita.

O grande destaque da edição 2022 é a mudança no primeiro lugar. Depois de 20 anos, a Coreia do Norte deixa o primeiro lugar da LMP e quem assume é o Afeganistão. É importante lembrar que isso não quer dizer que a perseguição não possa piorar no Afeganistão ou que a situação na Coreia do Norte tenha melhorado.

O que mudou?

No quesito novidades, temos Níger (33º) e Cuba (37º). Níger foi o país que mais subiu posições, o que se deve principalmente à pressão e à violência de extremistas islâmicos. Já em Cuba, o regime ditatorial intensificou as ações contra líderes cristãos e ativistas que se opõem aos princípios comunistas, principalmente após as manifestações de julho de 2021.

Quanto aos países que mais subiram posições, além dos recém-integrados ao Top50, a Indonésia subiu 19 posições, passando do 47º para o 28º lugar. O Catar saiu da 29ª e foi para 18ª colocação, e o Butão deixou o 43º para alcançar o 34º lugar.

Os dados da LMP ajudam a direcionar o trabalho feito pela Portas Abertas. Por meio deles, é possível entender onde há maior perseguição aos cristãos e como trabalhar de maneira efetiva para ajudar os cristãos perseguidos e manter a igreja viva. Clique aqui e leia todos os destaques da Lista Mundial da Perseguição 2022.

Fonte: Portas Abertas

Comentários