Bandeira do Irã e mãos postas em cima de uma Bíblia (montagem)
Bandeira do Irã e mãos postas em cima de uma Bíblia (montagem)

A população cristã no Irã está “florescendo”, de acordo com o Pastor Sam*, que viajou extensivamente pelo país e fez um relatório do que encontrou.

De acordo com o pastor, um dos motivos é o aumento da perseguição às mulheres e às pessoas que não são muçulmanas devotas, que ajudou a alimentar o interesse pelo cristianismo – combinado com o fato de os iranianos se relacionarem com uma herança persa, não uma linhagem árabe.

A “religião importada” do Islã, disse Sam, criou dificuldades e dores para o povo iraniano desde a revolução de 1979.

“Isso fez com que eles se tornassem a população evangélica que mais cresce no mundo”, disse o pastor, que agora trabalha com imigrantes iranianos para a América.

O livro “Operation World”, um guia de oração distribuído pela InterVarsity Press, confirma a declaração de Sam, colocando o crescimento do cristianismo no país em quase 20% ao ano.

Isso significa que, se as tendências continuarem, haverá uma duplicação do número de cristãos convertidos entre os 82 milhões de iranianos durante a próxima década.

O pastor não ofereceu uma descrição numérica do movimento espiritual, mas várias organizações não governamentais e ministérios – como Iran Alive, Heart4Iran e Elam – classificaram o cristianismo entre 500.000 e 1 milhão de adeptos, com uma estimativa de até 3 milhões de convertidos e outra de 300.000.

Esses números concorrentes se comparam à presença de meros 500 cristãos no país em 1979, quando os linha-dura religiosos derrubaram a forma de governo de 2.500 anos de monarquia, a fim de estabelecer uma república islâmica em seu lugar.

Segundo especialistas, o crescimento do cristianismo entre os iranianos parece ser um sinal de abertura a grupos e ideias externas, especialmente entre os jovens. Essa é uma dinâmica importante, considerando a projeção das Nações Unidas de que “[a] metade da população tem menos de 24 anos, um quarto com 15 anos ou menos”.

Apesar das reportagens na TV feitas nas últimas semanas, que mostram iranianos violentos gritando “morte para a América”, o pastor Sam diz que na década em que ministrou entre iranianos foi tratado com graça e hospitalidade.

Ele diz ainda que parece que cada vez mais iranianos estão se separando da fé dos líderes religiosos do país.

Pelo menos uma dúzia de mesquitas que ele visitou durante uma viagem recente foram abandonadas durante o Chamado Islâmico à Oração na sexta-feira – um dia sagrado para os muçulmanos. “[O pátio] estava completamente vazio”, disse ele sobre uma mesquita proeminente. “Durante todo o tempo em que estive no país, vi duas pessoas adorando”.

Do mesmo modo, os civis no Irã vivem com medo constante do governo e da possibilidade de Israel ou os Estados Unidos tomarem medidas militares contra líderes de linha dura – e serem pegos no meio do conflito, disse ele.

Eventos mundiais recentes também tornaram difícil para os iranianos que vivem nos EUA e em outros países, disse Sam. Frequentemente, as conexões à Internet são interrompidas e as pessoas têm muito poucas notícias sobre o que está acontecendo com suas famílias.

O pastor continua otimista sobre o crescimento espiritual contínuo no Irã, apontando que após o 11 de setembro houve uma expansão explosiva do cristianismo – ao contrário das previsões de que o número de igrejas no país diminuiria.

A oração pelos líderes e autoridades iranianos está no topo da lista, de acordo com o pastor, que disse que a igreja iraniana não pede orações de proteção para si, mas para suas famílias.

“Eles pediam oração para que o Senhor os usasse, lhes desse coragem, oportunidade e sabedoria contínuas”, finalizou.

*Nome fictício por medida de segurança.

Fonte: Guia-me com informações de Baptist Message