O presidente dos EUA, Donald Trump, discursa em um evento das Nações Unidas sobre Liberdade Religiosa na sede da ONU em Nova York, em 23 de setembro de 2019, às vésperas da Assembleia Geral da ONU. (Crédito da foto: SAUL LOEB / AFP / Getty Images)
O presidente dos EUA, Donald Trump, discursa em um evento das Nações Unidas sobre Liberdade Religiosa na sede da ONU em Nova York, em 23 de setembro de 2019, às vésperas da Assembleia Geral da ONU. (Crédito da foto: SAUL LOEB / AFP / Getty Images)

O presidente Donald Trump anunciou nesta segunda-feira, 23, que os Estados Unidos dedicarão US$ 25 milhões para proteger locais religiosos e de culto em todo o mundo e também anunciou a criação de uma coalizão dos principais líderes empresariais para ajudar a proteger a liberdade religiosa no local de trabalho.

Trump se tornou o primeiro presidente americano a convocar uma reunião na sede das Nações Unidas em Nova York, focando apenas a liberdade religiosa. Em um discurso na segunda-feira de manhã, ele pediu às nações do mundo que façam sua parte para “acabar com a perseguição religiosa”.

O evento foi chamado de ” Chamada Global para Proteger a Liberdade Religiosa ” e contou com a presença de Trump, vice-presidente Mike Pence e secretário de Estado Mike Pompeo. 

“Como presidente, proteger a liberdade religiosa é uma das minhas maiores prioridades e sempre foi”, garantiu Trump.

Também participaram do encontro autoridades americanas de alto escalão, sobreviventes de perseguição religiosa, líderes religiosos, líderes empresariais e defensores da liberdade religiosa. 

Antes de Trump, o vice-presidente Mike Pence fez um discurso.

“Hoje, evidenciando sua paixão pela liberdade religiosa, o presidente anunciará medidas adicionais que os Estados Unidos tomarão para proteger a liberdade religiosa e defender as pessoas de fé em todo o mundo”, disse Pence.

Durante seu discurso de quase 15 minutos, Trump detalhou várias coisas que seu governo fez para promover a liberdade religiosa em todo o mundo, como garantir a libertação do pastor encarcerado na Turquia, Andrew Brunson e realizar dois ministérios históricos do Departamento de Estado sobre liberdade religiosa.

No final de seu discurso, Trump mencionou novas iniciativas que o governo dos EUA está empreendendo para ajudar a promover a liberdade religiosa em todo o mundo. 

Uma dessas iniciativas envolve uma contribuição significativa do governo dos EUA para ajudar a proteger locais religiosos em todo o mundo. 

“Hoje, o governo Trump dedicará US$ 25 milhões adicionais para proteger a liberdade religiosa e os locais e relíquias religiosas”, prometeu Trump, depois de listar ataques contra locais de culto cristão, judeu e muçulmano no ano passado. 

Trump não ofereceu detalhes sobre o plano de dedicar os US$ 25 milhões em fundos. 

Trump também anunciou uma nova coalizão para promover a liberdade religiosa internacional.

“Também temos o prazer de estar hoje reunidos por muitos dos parceiros da comunidade empresarial ao anunciar uma iniciativa muito crítica”, explicou Trump. “Os Estados Unidos estão formando uma coalizão de empresas americanas para a proteção da liberdade religiosa. Esta é a primeira vez que isso é feito.”

“Essa iniciativa incentivará o setor privado a proteger as pessoas de fé no local de trabalho e o setor privado tem uma liderança brilhante”, acrescentou.

“É por isso que algumas pessoas nesta sala estão entre os homens e mulheres de maior sucesso na Terra. Eles sabem como as coisas são feitas e sabem como cuidar das coisas. Eles estão conosco agora pela primeira vez, nessa medida. Estamos realmente honrados em tê-lo na sala. Grandes líderes empresariais e grandes pessoas de força.”

Um boletim da Casa Branca divulgado nesta segunda-feira não oferece muitos detalhes sobre a coalizão. 

Discurso elogiado

O discurso de Trump foi elogiado pelo ativista conservador cristão Tony Perkins, que também atua na Comissão Americana de Liberdade Religiosa Internacional.

“O presidente fez um discurso histórico que vai além de falar sobre liberdade religiosa internacional e adotar medidas concretas que levarão pessoas de todas as religiões a adorar de forma pública e segura”, disse Perkins, presidente do Conselho de Pesquisa da Família, em comunicado. 

“A liberdade religiosa não é apenas um direito humano fundamental, como reconhecido pela Declaração Universal dos Direitos Humanos das Nações Unidas, mas há um crescente corpo de pesquisas que mostra que as nações que defendem a liberdade religiosa têm maior segurança social e econômica – o que indiretamente torna todas as nações mais seguras, incluindo os Estados Unidos.”

Após as observações de Trump, o secretário-geral da ONU, António Guterres, fez um breve discurso explicando como a ONU está tomando medidas para combater a perseguição religiosa.

“A melhor maneira de promover a liberdade religiosa internacional é unindo nossas vozes para o bem, combatendo mensagens de ódio com mensagens de paz que abraçam a diversidade e protegem os direitos humanos em todos os lugares”, disse Guterres.

Esforços pela liberdade religiosa

As novas iniciativas anunciadas por Trump ocorrem quando seu governo lança vários esforços nos últimos anos para promover a liberdade religiosa em todo o mundo ou ajudar aqueles que sofreram perseguição religiosa.

Na segunda reunião ministerial anual para promover a liberdade religiosa, em julho, os EUA lançaram a Aliança Internacional de Liberdade Religiosa , uma aliança de nações com ideias semelhantes, dedicadas a enfrentar a perseguição religiosa em todo o mundo.

Em suas declarações, Pence explicou que os EUA concederam mais de US$ 370 milhões em ajuda a comunidades minoritárias no Iraque e na Síria que precisam de ajuda para se reinstalar depois de terem sido expulsos de suas antigas terras pela organização terrorista do Estado Islâmico em 2014.

A ajuda a minorias perseguidas no Iraque e na Síria foi concedida através do Programa de Recuperação e Resposta à Perseguição do governo. 

No primeiro Departamento Ministerial do Estado para Promoção da Liberdade Religiosa, o Fundo Internacional da Liberdade Religiosa foi criado para ajudar sobreviventes de perseguição religiosa. Segundo Pence, o fundo arrecadou mais de US$ 5 milhões de compromissos e concedeu mais de 435 subsídios de resposta rápida.

“Até hoje, esse esforço ajudou cerca de 2.000 vítimas de perseguição religiosa em todo o mundo”, declarou Pence. 

Folha Gospel com informações de The Christian Post