O próximo filme da Disney, “Bora Lá” (“Onward”), que estará nos cinemas dos EUA e também do Brasil a partir do dia 5 de março, contará com uma heroína auto-identificada lésbica, com uma namorada. Ela é a primeira personagem de animação do universo Disney-Pixar assumidamente LGBT.

A personagem, chamado ‘Officer Specter’, será uma policial da espécie Ciclope (personagem da mitologia grega que tem um olho na testa). Quem dá voz a Specter é a roteirista e atriz, também abertamente lésbica, Lena Waithe, segundo informou o Yahoo Entertainment.

Isso meio que aconteceu”, disse o produtor Kori Rae, segundo o site. “A cena, quando a escrevemos, era meio que apropriada e abre um pouco o mundo. Era isso que queríamos”.

O diretor Dan Scanlon afirmou: “É um mundo de fantasia moderno e queremos representar o mundo moderno”.

O filme se passa em um universo mágico com cidadãos fantásticos, que perderam a conexão com as artes mágicas. De acordo com a descrição do filme, “dois irmãos elfos adolescentes … embarcam em uma missão extraordinária para descobrir se ainda resta um pouco de mágica por aí”.

Embora este seja o primeiro personagem LGBT da Pixar, não é a primeira vez que a Disney aborda a temática. Na televisão, a série do Disney Channel “Andi Mack” retratou o primeiro casal de adolescentes do mesmo sexo, no ano passado.

O final da terceira temporada da série terminou com a cena entre Cyrus Goodman (interpretado por Joshua Rush) confessando sua atração pelo colega de classe TJ Kippen (Luke Mullen).

Embora essa tenha sido a primeira representação da Disney de um relacionamento entre adolescentes do mesmo sexo, o primeiro casal adulto do mesmo sexo em um programa da Disney para crianças ocorreu no ano de 2014 em “Good Luck Charlie”.

A empresa multinacional de mídia de massa e entretenimento tem adotado e promovido exibições LGBT aos poucos, como visto em seus programas de televisão e filmes como “A Bela e a Fera” e “Doutora Brinquedos” em 2018. Em 2017, o desenho “Star Contra as Forças do Mal” introduziu a primeira princesa do sexo masculino no mesmo programa que anteriormente gerou polêmica por apresentar o primeiro beijo gay.

Perda do legado

Em declaração dada anteriormente, o pastor e evangelista Franklin Graham criticou as novas abordagens da Disney, voltadas à promoção da cultura LGBT. Ele destacou que chegou a conhecer pessoalmente o fundador da empresa, Walter Elias Disney e que o ator e produtor ficaria chocado ao descobrir que sua própria produtora estaria promovendo tal ideologia.

“Conheci Walt Disney quando eu ainda era um menino. Ele foi muito gentil comigo, com meu pai Billy Graham e meu irmão mais novo, quando o visitamos. Ele ficaria chocado ao ver o que aconteceu com a empresa que ele mesmo fundou”, afirmou o pastor.

Fonte: Guia-me com informações de Yahoo Entertaiment