Casamento entre pastoras lésbicas na Igreja Protestante Unida da França (Foto: reprodução)
Casamento entre pastoras lésbicas na Igreja Protestante Unida da França (Foto: reprodução)

A Eglise Protestante Unie de France ( EPUdF , Igreja Protestante Unida da França), uma denominação criada em 2012 após a fusão das Igrejas Luterana e Reformada, celebrou sua primeira bênção de pastoras lésbicas em julho.

Emeline Daudé (33 anos) e Agnès Kauffmann (31 anos) casaram numa cerimônia ministrada pelo pastor Jean-François Breyne, no templo protestante de Maguelone, em Montpellier.

Esta é a primeira união entre pastores do mesmo sexo da maior denominação protestante da França. O casamento homoafetivo foi autorizado na EPUdF no sínodo nacional de 2015, apesar da decisão ter sido mal recebida por parte da igreja.

“Existe uma realidade [sobre a questão do casamento de pessoas do mesmo sexo na Igreja protestante] que avança, de fato, muito rápido”, afirmou Breyne.

Segundo Daniel Cassou, pastor e responsável de Comunicação da EPUdF, a autorização do casamento gay na denominação não é “nem um direito nem uma obrigação” e que “não se impõe a nenhuma paróquia e nenhum pastor”.

Foi em 2015 quando o EPUdF votou para permitir a bênção de casamentos do mesmo sexo em seu Sínodo anual realizado em Séte. A decisão causou ondas de choque na sociedade e na comunidade protestante em geral.

Naquela época, um movimento de “Atestantes” anunciou que permaneceriam fiéis ao entendimento bíblico tradicional do casamento. Outros deixaram a denominação para se juntar a um grupo de igrejas que continuava a ensinar a compreensão cristã histórica do casamento.

Também o Conselho Nacional de Evangélicos na França ( CNEF ) lamentou a decisão, sublinhando que 70% dos crentes protestantes praticantes na França pertencem a igrejas evangélicas livres (Batistas, Pentecostais, Irmãos, entre outras), que possuem um entendimento bíblico do casamento.

Folha Gospel com informações de Evangelical Focus