Um número impressionante de 1.470 cristãos foram mortos por jihadistas islâmicos na Nigéria nos primeiros quatro meses de 2021, disse uma organização sem fins lucrativos no país.

A reclamação veio em um relatório da Intersociedade para a Liberdade Civil e Estado de Direito, que disse que outros 2.200 foram sequestrados no mesmo período.

A maior proporção de assassinatos ocorreu no estado de Kaduna, norte da Nigéria, com 300 mortos. Outros 200 foram mortos no estado de Benue e 90 no estado de Plateau.

Mais da metade das mortes foram atribuídas a pastores Fulani radicalizados, mas o relatório refuta a alegação comum de que a violência contra os cristãos se deve simplesmente a uma disputa por recursos naturais.

“[Os governos nigeriano e estadual] fizeram várias tentativas deliberadas para encobrir o massacre flagrante e terrível de cristãos na Nigéria, rotulando-os falsamente como ‘confrontos de pastores-fazendeiros’ ou ataques de ‘bandidos’ ou ‘assassinatos que afetam os muçulmanos e cristãos “, diz o relatório.

Cerca de 800 sequestros ocorreram em Kaduna, mais do que em qualquer outro estado. No Níger, houve outros 300 sequestros.

Entre os sequestrados estão agricultores, viajantes e pessoas que vivem em comunidades rurais. Teme-se que pelo menos 220 dos cristãos sequestrados tenham morrido ou sido mortos por seus sequestradores.

No estado de Katsina, o relatório diz que “meninas cristãs menores de idade se casam à força com homens muçulmanos e se convertem ao islamismo”.

As descobertas são baseadas em relatórios da mídia local e estrangeira, do governo, grupos internacionais de direitos humanos e testemunhas oculares.

“A Nigéria permaneceu devastadoramente como o ‘país com mais mortes de cristãos’ e ‘o lugar mais perigoso para ser cristão’, bem como o mais novo foco de Jihad islâmica e intolerância religiosa na África”, disse o relatório.

Os cristãos vêm alertando sobre a situação na Nigéria há algum tempo.

O último relatório da Comissão de Liberdade Religiosa e Internacional dos Estados Unidos adverte que a Nigéria está caminhando “implacavelmente para um genocídio cristão“.

Illia Djadi, analista sênior do Portas Abertas sobre liberdade de religião na África Subsaariana, disse recentemente que os cristãos em toda a Nigéria vivem com medo de serem atacados ou sequestrados.

“As pessoas não estão mais seguras na Nigéria”, disse ele .

“Se você viaja, está arriscando sua vida.

“Pessoas em toda a Nigéria viajam com medo de serem sequestradas ou atacadas. Eles vão para a cama com medo de serem sequestrados ou atacados. Eles vão à igreja com medo de serem sequestrados ou atacados.”

O Índice de Terrorismo Global classificou a Nigéria como a terceira nação mais afetada pelo terrorismo islâmico, registrando 22.000 mortes entre 2001 a 2019.

A Nigéria foi o primeiro Estado democrático a ser adicionado na lista do Departamento de Estado dos EUA de “países de preocupação particular”, segundo a Lei de Liberdade Religiosa Internacional, por se envolver em “violações sistemáticas toleradas, contínuas e flagrantes da liberdade religiosa”.

Folha Gospel com informações de The Christian Today