Cristãos reunidos no Sudão. (Foto: Portas Abertas)

O Sudão aprovou emendas amplas em suas leis criminais que incluem a revogação da pena de morte por apostasia, que foi introduzida em 1991 pelo ditador Omar al Bashir e punida com apedrejamento até a morte.

A decisão implica que, a partir de agora, a conversão de uma religião para outra no país, com uma grande maioria muçulmana, não será punível.

“Cancelamos o artigo 126 da Lei Penal Sudanesa e garantimos a liberdade religiosa e a igualdade na cidadania e no Estado de direito “, disse o ministro da Justiça do Sudão Nasredeen Abdulbari em entrevista na televisão.

O governo sudanês também proibirá a mutilação genital feminina, que “agora é considerada um crime, punível com até três anos de prisão”, destacou Abdulbari, acrescentando que seu ministério “eliminará todas as disposições discriminatórias contra mulheres e crianças”.

Além disso, as novas leis permitem que não-muçulmanos bebam álcool e proíbem açoitamento como punição.

“Todas essas mudanças têm como objetivo alcançar a igualdade diante das leis. Abandonamos todos os artigos que levaram a qualquer tipo de discriminação. Garantimos ao nosso povo que a reforma legal continuará até que retiremos todas as leis que violam os direitos humanos no Sudão”, enfatizou o ministro da Justiça.

Durante a sessão do Conselho de Direitos Humanos da ONU, realizada em Genebra na quinta-feira, 16, o oficial de advocacia da Aliança Evangélica Mundial (WEA, sigla em inglês), Wissam Al-Saliby, leu uma declaração, incentivando o governo sudanês a tomar mais medidas corajosas para consagrar a liberdade dos direitos humanos.

A WEA “acolhe com satisfação as amplas emendas à lei criminal do Sudão, incluindo a revogação da pena de morte por apostasia. Esperamos que essas medidas corajosas incluam a revogação do artigo 125, que prescreve um ano de prisão por insultar a religião”, afirmou.

Além das medidas contra a mutilação genital feminina, a WEA “espera que essas reformas se estendam à revogação do artigo 152 sobre decência pública, que é frequentemente usado para assediar mulheres por supostas roupas indecentes”.

Representação e educação religiosa

“Congratulamo-nos com a recente abolição dos comitês de supervisão da igreja, que promove a intrusão indevida do Estado nos assuntos da igreja. Pedimos indenização por igrejas destruídas e pelo retorno de propriedades confiscadas”, apontou Al-Saliby.

Ele também pediu ao governo sudanês que “permitisse a representação de membros de religiões minoritárias designadas e comunidades religiosas no ministério de investiduras religiosas”.

“Por fim, pedimos a inclusão da religião cristã no calendário de disciplinas para o Certificado Escolar Básico para o próximo ano letivo, como uma alternativa para os estudantes cristãos nas aulas de religião islâmica”, concluiu Al-Saliby.

Com pouco mais de 5% da população se declarando cristã, o Sudão ocupa a sétima posição na Lista Mundial da Perseguição da Missão Portas Abertas de 2020.

Folha Gospel com informações de Evangelical Focus