Primeiro-ministro do Sudão, Abdalla Hamdok. (Foto: USCIRF)
Primeiro-ministro do Sudão, Abdalla Hamdok. (Foto: USCIRF)

O Departamento de Estado dos EUA removeu o Sudão de sua lista de governos que estão envolvidos ou toleram violações sistêmicas e contínuas da liberdade religiosa e colocou pela primeira vez a Nigéria, Cuba e Nicarágua em uma lista de observação especial por “violações graves da liberdade religiosa”.

O secretário de Estado Mike Pompeo anunciou na última sexta-feira (20) as designações anuais dos Departamentos de Estado para “países de particular preocupação” (CPC).

A designação “CPC” é exigida pela Lei Internacional da Liberdade Religiosa e envergonha os países em que os governos “se envolveram ou toleraram violações sistemáticas, contínuas e flagrantes da liberdade religiosa”.

A designação do CPC tem o potencial de que os EUA promulguem sanções e outras ações diplomáticas contra governos ofensores e seus respectivos funcionários. No entanto, sanções foram aplicadas de maneira inconsistente ao longo dos anos a países aos quais foi dada a designação do CPC.

O Departamento de Estado dos EUA redesignou nove países como CPC’s. Entre eles estão Mianmar, China, Eritreia, Irã, Coreia do Norte, Paquistão, Arábia Saudita, Tajiquistão e Turcomenistão.

Sudão fora da lista dos piores

O Sudão foi listado como CPC por anos. Porém foi removido dessa lista, uma vez que o ditador Omar al-Bashir foi deposto do poder no início deste ano e um governo de transição finalizou uma nova declaração constitucional e prometeu melhorar a liberdade e os direitos humanos.

Em vez disso, o Sudão foi colocado na “lista de observação especial” do Departamento de Estado de países que se envolveram ou toleraram “violações graves da liberdade religiosa”, mas não estão no nível a ser rotulado como CPCs.

“As mudanças que ocorreram no governo [sudanês] com as ações que acreditamos mereceram sua mudança para uma lista de observação especial e para fora da lista de países de particular preocupação”, disse o embaixador dos EUA para Liberdade Religiosa Internacional, Sam Brownback a repórteres em uma teleconferência na última quinta-feira.

O Sudão se une às à Rússia e ao Uzbequistão, bem como a outros companheiros de lista de observação especiais, Cuba, Nicarágua e Nigéria.

De acordo com a liberação do Departamento de Estado, o Sudão foi transferido para a lista de observação especial devido a “medidas significativas tomadas pelo governo de transição liderado por civis para lidar com as violações da liberdade do regime anterior”.

Antes da transição do poder, a agência Portas Abertas (EUA) classificou o Sudão como o sexto pior país do mundo em perseguição cristã em sua lista anual de vigilância mundial. Bashir estava governando o país “como um Estado Islâmico, com direitos limitados para minorias religiosas”, segundo a organização cristã.

Sob a ditadura de Bashir, o Sudão passou por muito escrutínio internacional, devido aos abusos à liberdade religiosa, como confiscar propriedades de igrejas, aprisionar pastores e até condenar uma mãe cristã à morte por apostasia.

Apesar de ter sido retirado da lista do CPC, o Sudão ainda é listado pelo Departamento de Estado como um dos quatro países patrocinadores do terrorismo.

“O governo de Bashir há 30 anos administra um estado terrorista islâmico no Sudão. Nos últimos anos, eles iluminaram algumas e não tanto as atividades diretas como quando costumavam abrigar Osama Bin Laden e quando ele nos atacou do solo com impunidade ”, disse o embaixador-geral dos EUA para a Liberdade Religiosa Internacional, Sam Brownback, a repórteres em uma teleconferência na quinta-feira.

“Bem, agora você está entrando com um novo governo. O velho ditador foi expulso e realmente precisamos dar a eles espaço para respirar para fazer com que tudo funcione rapidamente”, acrescentou.

Fonte: Guia-me com informações de The Christian Post