Culto em uma igreja nos EUA em meio à pandemia do coronavírus
Culto em uma igreja nos EUA em meio à pandemia do coronavírus

Ao longo das últimas semanas, a Suprema Corte dos Estados Unidos tomou duas decisões em favor de igrejas e contra medidas de lockdown emitidas pelos governadores democratas da Califórnia, Gavin Newsom, e Nova Iorque, Andrew Cuomo, que proibiam o funcionamento de templos por conta da nova onda de Covid-19 no país.

Na decisão mais recente, tomada na última quinta-feira (3), a Corte aceitou um pedido feito pela igreja Harvest Rock Church e Harvest International Ministry, que tem sede na cidade californiana de Pasadena, mas possui igrejas em todo o estado.

A igreja argumentou que Newsom violou direitos religiosos com restrições mais pesadas sobre os templos do que contra estabelecimentos seculares.

– Lavanderias e armazéns não têm limite de capacidade, bebidas e mercearias têm 50% da capacidade, e os grandes centros comerciais, shoppings, lavanderias e centros de destino têm 25% da capacidade – disse a organização conservadora Liberty Counsel, que representa a igreja.

Newsom também foi acusado pela igreja de hipocrisia, após pedir aos californianos que ficassem longe até mesmo de seus familiares no Dia de Ação de Graças, e depois ir a um jantar com amigos em um restaurante em Napa Valley.

As imagens do encontro, inclusive, foram usadas pela Harvest Rock em seu pedido ao Supremo dos Estados Unidos.

Em 26 de novembro, por uma votação de 5 a 4, a Suprema Corte norte-americana já havia concedido a católicos, protestantes e judeus ortodoxos de Nova Iorque o direito de manterem igrejas e sinagogas abertas.

Na ocasião, o governador de Nova Iorque, Andrew Cuomo, havia assinado uma ordem executiva para fechar os templos.

Fonte: Pleno.News