Cristãos no Egito
Cristãos no Egito

Onze homens suspeitos de um ataque a cristãos coptas no Cairo, capital do Egito, há um ano, terão que comparecer diante de um tribunal, de acordo com o site de notícias Watani.

Os suspeitos foram capturados pela polícia após um ataque duplo no distrito de Helwan, ao sul de Cairo, em 29 de dezembro de 2017, no qual oito cristãos foram mortos e cinco ficaram feridos.

O procurador geral do Egito, Nabiul Ahmad Sadeq, submeteu o caso à corte criminal para julgamento.

Os suspeitos, entre 30 e 58 anos, enfrentam acusações de conduzir atividades terroristas premeditadas, tentativa de assassinato, roubo, aquisição ilegal e porte de armas, financiamento e liderança de organização terrorista, agressão à liberdade pessoal dos cidadãos e prejuízo à unidade e paz social.

No dia do ataque, uma sexta-feira de manhã, dois homens mascarados e armados abriram fogo contra cristãos enquanto saíam da igreja após o fim de um culto.

Entre os mortos, estão dois irmãos coptas que foram mortos na loja do pai por agressores antes de chegarem à igreja. O ataque foi reivindicado por um grupo afiliado do Estado Islâmico.

Em outubro, uma corte militar deu sentença de morte para 17 pessoas por conduzirem um ataque com bomba em igrejas coptas em 2016 e 2017, que mataram dezenas de pessoas e também foi reivindicado pelo Estado Islâmico.

A justiça sentenciou outros 19 à prisão perpétua e mais 10 receberam condenação de 10 a 15 anos de prisão.

O Estado Islâmico divulgou um vídeo em fevereiro de 2017 dizendo querer eliminar os cristãos coptas egípcios e “libertar Cairo”.

Fonte: Missão Portas Abertas