Vista da sala do plenário do Parlamento Europeu em Bruxelas. / Foto: Frederix Köberl , Unsplash
Vista da sala do plenário do Parlamento Europeu em Bruxelas. / Foto: Frederix Köberl , Unsplash

O Parlamento Europeu deverá votar uma moção sobre a “situação da saúde e direitos sexuais e reprodutivos na União Europeia” na sua sessão plenária de 23 de junho, que incluiria o compromisso de promover ativamente o aborto em todos os Estados membros.

O texto apresentado aos Membros do Parlamento Europeu (MPE) pela Comissão dos Direitos da Mulher e da Igualdade dos Gêneros e liderado pela relatora Predrag Fred Matić visa “reconhecer plenamente que a saúde e os direitos sexuais e reprodutivos são direitos humanos”.

Espera-se que a maioria do parlamento apoie uma resolução que fala em promover a educação sexual, combater a mutilação genital feminina e o tráfico sexual e facilitar o acesso a métodos anticoncepcionais modernos, entre outros aspectos.

Mas o ponto-chave que se destaca na formulação do relatório Matić tem a ver com a promoção do “aborto gratuito e legal” para todas as mulheres.

“As barreiras ao acesso ao aborto”, diz o resumo da iniciativa publicado no sítio oficial do Parlamento Europeu, “conduzem à violação da saúde e dos direitos sexuais e reprodutivos, mas também às desigualdades na concretização dos direitos das mulheres na UE”.

O relatório critica as políticas dos estados membros da União Europeia (UE) Polônia e Malta na área de saúde reprodutiva, falando de uma “reação contra os direitos das mulheres” na área de “abortos seguros e legais”, que levam à “erosão da democracia e das liberdades pessoais” na Europa.

O relatório também denuncia o uso da objeção de consciência por parte dos profissionais de saúde, afirmando que é “uma das barreiras mais problemáticas”. O relatório sublinha que “os profissionais médicos muitas vezes não praticam o aborto invocando as suas crenças pessoais (…) Isto não só nega às mulheres o seu direito à saúde e aos procedimentos médicos, mas também levanta a questão dos sistemas públicos de referência ”.

O Comitê que preparou a resolução a ser aprovada no Parlamento Europeu afirma que a não realização do aborto com base na objeção de consciência é uma “violação evidente e multidimensional” que “viola os direitos humanos” e “um desafio europeu que deve ser enfrentado”.

O texto é levado ao plenário do Parlamento Europeu depois de aprovado na referida Comissão com 27 votos “sim”, 6 votos “não” e 1 abstenção.

Entre os argumentos dos membros do Comitê que se opuseram à resolução estavam as ideias de que “trata o aborto como um suposto direito humano que não existe no direito internacional” e que “fala contra a objeção de consciência por parte dos profissionais de saúde”.

Esta oposição minoritária à resolução apresentou 154 emendas ao relatório, dizendo que “os direitos humanos – que são universais e imutáveis ​​- estão sendo submetidos a manipulação ideológica, com a influência internacional minando a soberania das nações e afetando suas leis”.

Enquanto isso, organizações pró-vida que leram o relatório Matić disseram que ele recicla as ideias do conhecido relatório Estrela, que foi rejeitado pelo Parlamento Europeu em 2013 .

O Bundesverband Lebensrecht (Associação Nacional pelo Direito à Vida) disse à revista Pro Medien Magazine que a resolução “ ignora totalmente os direitos dos nascituros ” e é uma “ameaça à liberdade de consciência dos profissionais de saúde”.

Uma boa saúde para as mulheres é “imensamente importante”, disse a líder da associação Alexandra Linder, mas através da promoção do aborto, os direitos das mulheres são “empurrados para uma direção ideológica e anti-humana”.

Folha Gospel com informações de Evangelical Focus