A Santa Sé tomou a decisão após constatar o estancamento do diálogo com o país cinco anos depois da carta de Bento XVI aos católicos chineses.

A Santa Sé, constatando o estancamento do diálogo com a China cinco anos depois da carta de Bento XVI aos católicos chineses, preconizou a instauração de uma “comissão permanente” ao mais alto nível, indicaram nesta sexta-feira as agências especializadas sobre a Igreja católica na Ásia.

“A carta do Papa continua sendo válida. Os acontecimentos dos últimos cinco anos na Igreja na China destacaram seu valor, sua oportunidade e sua atualidade. (…) Este documento espera uma resposta”, destacou o cardeal Fernando Filoni, prefeito da Congregação para a Evangelização dos Povos (“Propaganda Fide”) ao fim de uma prolongada análise destas difíceis relações.

Em 2007, Bento XVI havia proposto à China uma cooperação leal e um respeito mútuo na autonomia dos âmbitos político e religioso.

A análise do cardeal Filoni, publicada também em um site católico em Hong Kong, foi divulgada pelas agências católicas Fides, Igrejas da Ásia e AsiaNews.

[b]Fonte: Exame[/b]