Cristãos durante culto na Nigéria
Cristãos durante culto na Nigéria

Uma equipe de ajuda humanitária recém-chegada do centro da Nigéria relata que a violência contra cristãos por terroristas islâmicos “deslocou milhões” e “pode ​​chegar ao nível de limpeza étnica ou até genocídio”.

A equipe, incluindo a Baronesa Cox, presidente fundadora da Humanitarian Aid Relief Trust (HART), “testemunhou as ruínas de casas, terras agrícolas, lojas de alimentos, igrejas, casas de pastores e um orfanato” atacados pela milícia muçulmana Fulani “nos últimos sete meses”.

O Relatório de Visita Conjunta da HART, da Organização Internacional para a Construção da Paz e Justiça Social do Reino Unido (PSJ-UK) e a Christian Solidarity International (CSI) disse que os autores desses ataques “raramente, ou nunca, são levados à justiça”.

Em seu prefácio ao relatório “Ponto de ruptura na Nigéria central? Terror e deslocamento em massa no cinturão médio”, a Baronesa Cox disse que visitou a Nigéria muitas vezes, mas durante sua visita no início deste mês ela foi aconselhada pela primeira vez a voar da capital nigeriana, Abuja, para Jos, capital do estado de Plateau, em vez de viajar por estrada.

Isso ocorreu “devido ao aumento da frequência de assassinatos e sequestros – outra indicação de que a segurança está piorando nos estados centrais”.

A equipe ouviu relatos detalhados do “ataque deliberado e abate” de muitas crianças, um ataque brutal a uma mulher de 98 anos que foi queimada viva e pessoas sendo cortadas por facões enquanto fugiam de tiros.

“O estoque de armas empregadas pela milícia Fulani inclui armas automáticas, miras a laser, facões, coquetéis molotov e produtos químicos incendiários usados ​​para queimar casas”, diz o relatório.

“Muitos ativistas e líderes internacionais no cinturão do meio usam a palavra ‘genocídio’ para descrever os ataques às suas comunidades.

“Já em 4 de julho de 2018, a Câmara dos Representantes da Nigéria declarou que os assassinatos em aldeias predominantemente cristãs no estado de Plateau eram um genocídio e pediu ao governo federal que estabelecesse imediatamente orfanatos em áreas afetadas pela violência. No entanto, seu apelo urgente foi ignorado.”

Durante a visita, o advogado de direitos humanos Emmanuel Ogebe, representando Justice for Jos, disse à equipe: “Ninguém é responsabilizado por atrocidades. Estamos repetindo o mesmo manual de Ruanda. Estamos seguindo o mesmo caminho. Estamos caminhando para ponto de ruptura.

“Não sei mais como enfatizar a emergência. O genocídio de Ruanda foi inicialmente rotulado de ‘conflito entre fazendeiros e pastores’, e veja o que se tornou. Ruanda é do tamanho de um estado nigeriano. O mundo não será capaz de lidar com isso. Com as consequências.”

Em suas recomendações, o relatório pede às autoridades nigerianas que “acabem com a impunidade, garantindo que as queixas relacionadas a violações de direitos humanos sejam investigadas prontamente, de forma independente e imparcial, e os responsáveis ​​sejam responsabilizados após julgamentos justos”.

Folha Gospel com informações de The Christian Today

Comentários