Papa Francisco cabisbaixo
Papa Francisco cabisbaixo

O Papa Francisco tornou-se o primeiro pontífice a admitir e condenar abertamente uma “cultura de abuso e encobrimento” na Igreja Católica.

Francisco prometeu aos católicos chilenos que “nunca mais” a Igreja os ignoraria ou o encobriria os abusos em seu país, onde um escândalo generalizado devastou sua credibilidade.

O papa divulgou os comentários em uma carta a todos os católicos chilenos na quinta-feira, 30 de maio, quando o Vaticano anunciou que Francisco estava enviando seus dois principais investigadores de abuso sexual de volta ao país para obter mais informações sobre a crise.

O mais experiente investigador de abuso sexual do Vaticano, o arcebispo Charles Scicluna de Malta, e o padre Jordi Bertomeu, espanhol, visitaram o Chile no início deste ano.

Na carta divulgada pelos bispos chilenos, o papa também elogiou as vítimas de abuso sexual no país por perseverarem em trazer à luz a verdade, apesar das tentativas dos funcionários da Igreja de desacreditá-las.

Ele descreveu o escândalo chileno como uma “dolorosa ferida aberta”.

Horas antes de a carta ser divulgada no Chile, o Vaticano disse que Scicluna e Bertomeu se concentrariam na diocese de Osorno, no sul do Chile, sede do bispo mais envolvido no escândalo.

Um comunicado do Vaticano disse que o objetivo da viagem, que deve começar nos próximos dias, é “avançar no processo de reparação e cura das vítimas de abuso”.

Os dois prepararam um relatório de 2.300 páginas para o papa depois de falar com vítimas, testemunhas e outros membros da Igreja no início deste ano.

Em 18 de maio, todos os 34 bispos do Chile se ofereceram para renunciar em massa depois de participar de uma reunião de crise com o papa no Vaticano sobre o encobrimento dos abusos sexuais na nação sul-americana.

O papa Francisco ainda não disse quais renúncias aceitará, se houver. Em sua carta, o papa disse que a renovação da hierarquia da Igreja por si só não traria a transformação necessária no Chile, exigindo unidade em tempos de crise e aprofundamento da fé.

O escândalo gira em torno do padre Fernando Karadima, que foi considerado culpado em uma investigação do Vaticano em 2011 por abusar de meninos em Santiago nos anos 70 e 80. Agora com 87 anos e vivendo em uma casa de repouso no Chile, ele sempre negou qualquer irregularidade.

Vítimas acusaram Dom Juan Barros, de Osorno, de ter testemunhado o abuso, mas não fez nada para detê-lo. Barros, que foi um dos que se ofereceu para se retirar, negou as acusações.

Durante uma visita ao Chile em janeiro, Francisco defendeu Barros com firmeza, dizendo que as acusações contra ele eram “difamação”.

Algumas de suas descobertas foram incluídas em um documento condenatório de 10 páginas que foi apresentado aos bispos quando eles chegaram a Roma.

Em abril, o papa hospedou três vítimas não-clericais que disseram ter sido abusadas por Karadima, e neste fim de semana teria se encontrado com padres que disseram ter sido abusados ​​por Karadima quando eram jovens.

Fonte: The Christian Times