Mais uma vez os evangélicos da Assembléia de Deus compareceram em peso na sessão da Câmara Municipal de Franca, na terça-feira passada, visando pressionar os vereadores a aprovarem um projeto que beneficia um templo no Jardim América.

Porém, novamente a proposta acabou adiada e, para piorar, tem tudo para ser arquivada porque seria inconstitucional.

O projeto, de autoria do vereador José Barbosa Sobrinho (PTB), propõe aumentar o volume máximo permitido nas igrejas da cidade. De 45 decibéis, os templos poderiam elevar o som em até 80 decibéis. Com isso, uma igreja localizada no Jardim América e que foi lacrada pela prefeitura poderia funcionar normalmente.

Um grupo de evangélicos da Assembléia de Deus foi à Câmara pedir a aprovação, ao mesmo tempo em que um grupo de vizinhos incomodados com o barulho foi presssionar pela rejeição. A proposta, entretanto, nem mesmo chegou a ser votada e acabou adiada, devendo retornar a plenário daqui a duas semanas, podendo inclusive ser arquivada no retorno.

Motivo para isso seria sua inconstitucionalidade e quem levantou a questão foi a vereadora Graciela de Lourdes David Ambrósio (PP). Ela pediu a reforma do Parecer da Comissão de Justiça e Redação ao projeto da poluição sonora e apresentou um relatório com estudos e levantamentos a respeito.

Segundo ela, a iniciativa fere a Lei do Meio Ambiente e não caberia a um vereador legislar a esse respeito. Membros da própria Comissão acabaram concordando e já falam em mudar o parecer favorável, que passaria a ser contrário à matéria.

Fonte: Cosmo Online