Afeganistão (Foto: David Mark por Pixabay)
Afeganistão (Foto: David Mark por Pixabay)

“Relatos confiáveis” de violência contínua cometida contra as comunidades religiosas vulneráveis ​​do Afeganistão, incluindo execuções e desaparecimentos, sugerem que os cristãos correm um “risco elevado” de perseguição com o Taleban no poder, advertiu a Comissão dos Estados Unidos sobre Liberdade Religiosa Internacional ( USCIRF, sigla em inglês).

O USCIRF diz em uma “ficha técnica” que as condições de liberdade religiosa no Afeganistão estão se deteriorando desde que o Taleban assumiu o controle do país em 15 de agosto, observando que “documentou e recebeu relatos confiáveis ​​de violência, incluindo execuções, desaparecimentos, despejos, profanação de casas de culto, espancamentos, assédio e ameaças de violência a membros de comunidades religiosas particularmente vulneráveis. ”

Cristãos afegãos, muçulmanos ahmadi, bahá’ís e descrentes não podem expressar sua fé ou crenças abertamente “porque enfrentam terríveis consequências, incluindo a morte, se descobertos pelo Taleban”, acrescentou a comissão.

O Taleban tem ido de porta em porta em busca de convertidos cristãos, aliados dos EUA, ex-funcionários do governo e ativistas de direitos humanos, disse a USCIRF, com base em relatórios. “Os cristãos receberam telefonemas ameaçadores, enquanto um líder de uma rede de igrejas domésticas recebeu uma carta em 12 de agosto de militantes do Taleban ameaçando ele e sua família. Alguns cristãos desligaram seus telefones e mudaram-se para locais não revelados.”

O Ministério para a Propagação da Virtude e Prevenção do Vício do Afeganistão, que foi reintegrado pelo Taleban em setembro, “usa um sistema de policiamento islâmico radical notoriamente violento”, diz a folha de dados.

A comissão explica que o Afeganistão não tem denominações e tradições cristãs estabelecidas há muito tempo.

Cristãos afegãos se converteram do islamismo e, portanto, todos são considerados “apóstatas”, de acordo com a lei afegã, que exige que os tribunais confiem na jurisprudência islâmica. “Atores sociais, o ex-governo afegão e o Talibã muitas vezes veem a conversão como uma tentativa de fugir do Afeganistão buscando o status de refugiado como membro de uma comunidade religiosa perseguida.”

O folheto informativo acrescenta: “Os convertidos que já enfrentaram o ostracismo e a ameaça de crimes de honra por familiares e membros da aldeia agora correm um risco maior com o Taleban no poder”.

A Afghan House Church Network (Rede de igrejas domésticas afegãs) e a agência americana de perseguição International Christian Concern (ICC) estimam que há de 10.000 a 12.000 cristãos convertidos em todo o país que, nas últimas duas décadas, praticam a fé cristã de forma escondida.

“As minorias religiosas do Afeganistão e outros que não compartilham as mesmas crenças religiosas do Taleban correm o risco de entrar em conflito com as crenças islâmicas de linha dura do Taleban”, adverte o USCIRF. “Embora as condições de liberdade religiosa no país fossem ruins sob o governo anterior, essas condições já pioraram e se tornaram terríveis sob o Talibã e provavelmente continuarão a se deteriorar”.

Quando o Taleban assumiu o controle de grande parte do Afeganistão após a retirada das tropas dos EUA em agosto, muitos ministérios que trabalhavam com a igreja clandestina do país trabalharam incansavelmente para evacuar os cristãos em risco, disse William Stark, gerente regional do ICC para o Sul da Ásia.

“Os cristãos agora estão escondidos por causa de ameaças ativas contra sua comunidade”, disse Stark.

Ele compartilhou histórias de como os cristãos continuam a enfrentar ameaças de membros do Taleban. Em uma situação, um extremista islâmico ameaçou sequestrar as filhas de um cristão e casá-las com membros do Taleban. Em outra, um cristão recebeu uma carta do Taleban dizendo que sua casa pertencia a eles. Os cristãos também foram avisados ​​para se absterem de se reunir.

A USCIRF recomenda na ficha técnica que o Departamento de Estado conceda acesso ao Programa de Admissão de Refugiados dos EUA também a membros de minorias religiosas afegãs “em reconhecimento ao grave risco de perseguição que enfrentam por parte do Talibã”.

Em agosto, o Taleban executou 11 ex-militares e dois civis, incluindo uma garota de 17 anos na província de Daykundi, todos pertencentes à minoria xiita, disse a Anistia Internacional em um relatório, observando que os assassinatos pareciam ser crimes de guerra.

A secretária-geral da Anistia Internacional, Agnès Callamard, disse que os assassinatos são “mais uma prova de que o Talibã está cometendo os mesmos abusos horríveis pelos quais eram famosos durante seu governo anterior no Afeganistão”.

“Eles violam repetidamente os direitos daqueles que consideram seus adversários, até matando aqueles que já se renderam. O Taleban diz que não tem como alvo ex-funcionários do governo anterior, mas essas mortes contradizem essas afirmações ”, acrescentou Callamard.

O Taleban declarou publicamente em setembro que iria realizar execuções e outras punições brutais, incluindo amputações, sob a lei islâmica Sharia como parte de seu governo no Afeganistão.

“Cortar as mãos é muito necessário para a segurança”, disse à Associated Press na época o mulá Nooruddin Turabi, membro do governo interino do Talibã e principal responsável pela interpretação estrita do grupo da lei islâmica .

“Todos nos criticaram pelas punições no estádio, mas nunca falamos nada sobre suas leis e suas punições”, continuou. “Ninguém vai nos dizer quais devem ser nossas leis. Seguiremos o Islã e faremos nossas leis sobre o Alcorão ”.

Turabi, que está sob sanções da ONU, também disse que o novo governo está considerando aplicar essas punições em público.

Após a retirada das tropas dos EUA no Afeganistão, o Taleban rapidamente assumiu o controle de grande parte do país, eventualmente tomando a capital Cabul em agosto e forçando o governo a fugir.

Folha Gospel com informações de The Christian Post