Integrantes do Talibã comemorando ao lado da bandeira do grupo terrorista. (Foto: Montagem - Folha Gospel)
Integrantes do Talibã comemorando ao lado da bandeira do grupo terrorista. (Foto: Montagem - Folha Gospel)

Menos de um mês depois que as tropas americanas se retiraram do Afeganistão, o Talibã começou a prender e, em alguns casos, a executar, pessoas que consideravam seus inimigos. Fotos e vídeos recentes sugerem que eles estão matando de 30 a 40 de cada vez, disse o missionário cristão David Eubank, ex-oficial das Forças Especiais e dos Ranger do Exército dos EUA, em uma entrevista à mídia.

A forma como os Estados Unidos se retiraram é “desonrosa e uma horrível quebra de promessas… e deixando para trás milhares de pessoas que prometemos levar conosco, incluindo cidadãos americanos”, Eubank, que é do Free Burma Rangers e fornece serviços humanitários em áreas devastadas pela guerra, disse CBN News.

Em alguns casos, a retirada foi “covarde”, continuou ele, falando do Tajiquistão, vizinho do Afeganistão e para onde muitos afegãos estão chegando depois de fugir do Talibã.

“Eles [o Talibã] estão caçando pessoas agora, tentando obter todos os nomes de qualquer pessoa que eles percebam como um inimigo”, disse Eubank, acrescentando que os inimigos incluem “pessoas que trabalham com o governo dos EUA, pessoas que estão com outros governos, pessoas que trabalham com organizações não governamentais com as quais não concordam”.

Eubank, que está no Tajiquistão para ajudar os afegãos, também disse que “muitos foram executados. … Eu vi fotos recentes de 30 a 40 pessoas [sendo executadas]. ”

Eubank esclareceu que não conhece a escala das mortes ou das prisões, “mas acredito que agora seja em todo o país”.

O Talibã está permitindo que os cidadãos americanos com carteira de identidade escapem, ele continuou, acrescentando que “qualquer pessoa que considere um inimigo, vai prendê-lo e, em muitos casos, executá-lo. ”

As pessoas no Afeganistão “estão aterrorizadas”, acrescentou Eubank.

De acordo com seu site, o Free Burma Rangers já ajudou 1,5 milhão de pessoas deslocadas que, de outra forma, teriam morrido.

Em uma entrevista ao The Christian Post no ano passado, Eubank compartilhou: “Estou motivado pelo que Jesus faz por mim e quero compartilhar Seu amor e encorajar as pessoas a segui-lo. Não devemos ser guiados pelo conforto, medo ou orgulho, mas vamos no amor que Deus nos dá. Entramos em áreas de combate direto para salvar vidas e compartilhar amor.”

Após a retirada das tropas americanas no Afeganistão, o Talibã rapidamente assumiu o controle de grande parte do país, tomando a capital Cabul no mês passado e forçando o governo a fugir.

A agência americana de perseguição, International Christian Concern (ICC), alertou na semana passada que, enquanto o Talibã está reprimindo protestos e jornalistas, preocupações também estão sendo levantadas entre as minorias religiosas sobre o aumento da opressão e da perseguição porque o Talibã prometeu aplicação estrita da lei Sharia.

Quase todos os cristãos afegãos – estimados entre 8.000 e 12.000 – são convertidos do islamismo e permanecem em grande parte fechados e escondidos dos olhos do público devido à severa perseguição.

“Sua condição de convertidos torna os cristãos afegãos alvos diretos de perseguição tanto por grupos extremistas quanto pela sociedade em geral”, relata o ICC. “No Afeganistão, deixar o Islã é considerado extremamente vergonhoso e os convertidos podem enfrentar terríveis consequências se sua conversão for descoberta”.

Folha Gospel com informações de The Christian Post