O líder supremo do Irã, o aiatolá Ali Khamenei, pediu hoje que os muçulmanos xiitas e sunitas se unam para fazer frente a seus “inimigos”, enquanto milhares de peregrinos iranianos em Meca se manifestaram contra os Estados Unidos e Israel.

Khamenei fez este pedido em uma mensagem dirigida aos Governos e aos povos muçulmanos por ocasião do comparecimento, hoje, de quase 3 milhões de peregrinos ao Monte Arafat, em Meca, um ritual considerado o mais importante da peregrinação anual (“Hajj”) à Cidade Santa.

Na manhã de hoje, em sua marcha rumo ao Monte Arafat, milhares de peregrinos iranianos levavam cartazes com os dizeres “morte aos EUA” e “morte a Israel”, países que o Irã considera os principais inimigos do Islã.

O “Hajj”, um dos cinco pilares da religião islâmica, terá a presença do presidente iraniano, Mahmoud Ahmadinejad, que visita a Cidade Santa a convite do rei da Arábia Saudita, Abdullah bin Abdul Aziz.

“A peregrinação é um símbolo da unidade islâmica, à parte das diferenças (ideológicas e religiosas), e temos que estar atentos, acordados e unidos contra os complôs dos inimigos para nos separar”, disse o aiatolá Khamenei, segundo a televisão “Alalam”.

“Os inimigos de nossa nação islâmica são os líderes dos centros da arrogância e das potências que têm intenções expansionistas e agressivas, que consideram a unidade islâmica como uma ameaça a seus interesses e a sua hegemonia sobre os muçulmanos”, acrescentou.

Fonte: EFE