Logo da Amazon
Logo da Amazon

Os vendedores de produtos religiosos na Amazon podem ter tido um grande golpe recentemente quando os funcionários da Amazon cancelaram seus anúncios incorretamente.

O site de notícias CNBC informou  que, de acordo com um representante da Amazon, a empresa havia formulado uma nova política “que proíbe qualquer anúncio que contenha ‘conteúdo religioso’”.

Em um e-mail, o representante disse: “Os outros vendedores que atualmente anunciam produtos religiosos estão fazendo prática incorreta, o que pode levar à suspensão de sua conta.”

“Produtos relacionados a uma religião específica não podem ser anunciados”, disse um representante da Amazon a um dos vendedores em um email visto pela CNBC.

Mas agora, a Amazon está dizendo que houve um equívoco nas declarações de seus representantes. 

Um porta-voz do gigante do comércio eletrônico disse à CNBC: “O e-mail que o CNBC viu contém informações imprecisas e nossas políticas de longa data não mudaram. Treinamento corretivo está sendo fornecido às equipes relevantes.”

A questão surgiu quando um empresário da Amazon, que vende roupas com mensagens cristãs e versículos bíblicos, perguntou à Amazon por que um dos anúncios havia sido rejeitado. 

O vendedor pediu à CNBC que permanecesse anônimo por medo de que a Amazon o retaliasse. Este proprietário da empresa sofreu com a supervisão. 

“Nossa receita na Amazon está diretamente relacionada à publicidade que fazemos, então isso seria muito prejudicial para nossos negócios.”

Vários vendedores experimentaram o mesmo problema. Um  vendedor postou  no Fórum de fidelidade da Amazon em fevereiro que a empresa colocou na lista negra uma cruz de cristal porque “itens religiosos não podem ser anunciados por meio de anúncios patrocinados”. 

O incidente é o mais recente exemplo de vendedores de marketplace da Amazon que foram pegos no fogo cruzado, já que a empresa tem lutado para gerenciar o crescimento do mercado de terceiros, que agora responde por mais da metade do volume de e-commerce da empresa.

A política de anúncios da Amazon “proíbe conteúdo que defenda ou diminua uma religião. Os anúncios podem conter referências a uma religião ou fé específica em um contexto histórico ou fictício, se o objetivo principal for entreter. ” 

Também são proibidos, entre outros, anúncios políticos que fazem campanha a favor ou contra certos políticos ou questões políticas, e produtos relacionados a criptomoedas ou ofertas iniciais de moedas, de acordo com a página de políticas de anúncios da Amazon.

A repressão equivocada ocorre quando os gigantes da tecnologia estão enfrentando um exame mais rigoroso sobre como eles administram suas plataformas de publicidade. Evitar anúncios sobre assuntos polêmicos poderia ajudar a Amazon a evitar as críticas que o Facebook e o Google enfrentaram nos últimos anos por suas políticas de supervisão de anúncios negligentes.

O Facebook, por exemplo, atualizou sua política de anúncios em 2017, após relatórios sobre a empresa, permitindo que os anunciantes segmentassem palavras-chave antissemitas. 

O Google também teve que responder a um relatório do BuzzFeed mostrando como ele permitia a venda de anúncios que segmentavam termos de pesquisa racistas. Ambas as empresas foram criticadas por sua política de coleta de dados e como os dados do usuário são compartilhados com outros anunciantes.

Folha Gospel com informações de Christian Headlines e CNBC