Sala de aula do ensino médio. (Foto: Reuters / Stephane Mahe)
Sala de aula do ensino médio. (Foto: Reuters / Stephane Mahe)

A Câmara dos Deputados do estado de Ohio, nos EUA, aprovou uma legislação que, se aprovada pelo Senado do Estado e sancionada pelo governador republicano, daria aos estudantes cobertura legal para divergir dos ensinamentos sobre evolução na sala de aula.

No projeto de lei, “Lei das Liberdades Religiosas para Estudantes”, declara:

Nenhum conselho escolar do distrito escolar […] deve proibir um aluno de se envolver em expressão religiosa na conclusão de trabalhos de casa, obras de arte ou outras tarefas escritas ou orais. As notas e pontuações das tarefas serão calculadas usando padrões acadêmicos comuns de substância e relevância, incluindo quaisquer preocupações pedagógicas legítimas, e não penalizarão ou recompensarão um aluno com base no conteúdo religioso do trabalho de um aluno.

A legislação passará agora para o Senado controlado pelos republicanos.

O deputado Timothy Ginter, ministro ordenado, apresentou o projeto, que ele disse ao The Columbus Dispatch “não é uma expansão, mas um esclarecimento [do] que os estudantes podem e não podem fazer na expressão religiosa”.

Ele passou a descrever a proposta de liberdade pró-religiosa como “legislação inclusiva que melhorará positivamente as liberdades”.

Aaron Baer, ​​presidente da Citizens for Community Value, disse que a legislação “chega em um momento crítico da cultura e protege o direito de estudantes cristãos e não cristãos de exercer livremente sua fé”.

Alguns legisladores democratas, no entanto, argumentaram que o projeto é redundante. O deputado Phillip Robinson disse que, embora “aprecie o sentimento” da proposta, é desnecessário porque o estado “já protege a expressão religiosa”.

Se aprovada, a lei concederia a grupos religiosos liderados por estudantes o mesmo nível de acesso às instalações escolares já concedido a grupos seculares. Também levantaria uma proibição da expressão religiosa dos estudantes durante o horário de almoço e outras sessões não instrucionais.

O cerne da lei, no entanto, é a abolição das restrições aos estudantes que expressam suas crenças religiosas – como a adoção do criacionismo – nos trabalhos de casa e em outras tarefas em sala de aula.

Embora os educadores já estejam proibidos de restringir a expressão religiosa de qualquer aluno, o projeto de lei de Ginter garantiria que a liberdade fosse estendida aos períodos de instrução e não-instrução.

Folha Gospel com informações de FaithWire