Ilustração do cerco dos babilônios em Jerusalém (Crédito: Wikimedia Commons)
Ilustração do cerco dos babilônios em Jerusalém (Crédito: Wikimedia Commons)

A conquista babilônica de Jerusalém há mais de 2.500 anos foi um dos principais momentos da história bíblica, representando o julgamento de Deus, mas também sua graça e misericórdia. 

Agora, arqueólogos escavando na Jerusalém moderna dizem que descobriram evidências arqueológicas “claras” afirmando o relato descrito em 2 Reis 25 .

O material catalogado inclui pontas de flecha e camadas de cinzas de combustão, além de fragmentos de cerâmica, lâmpadas, joias de ouro, prata e outros materiais datados da Idade do Ferro.

A descoberta é “uma clara evidência da conquista da cidade pela Babilônia”, datando de 587/586 aC, de acordo com um comunicado de imprensa da UNC Charlotte. Significativamente, a cerâmica e as lâmpadas foram encontradas lado a lado com evidências do cerco babilônico “representado pela madeira queimada e cinzas”, disse o comunicado à imprensa. 

Os itens foram desenterrados na localização geográfica que o cerco teria ocorrido.

É a segunda grande descoberta da equipe que escava Sião em 2019 – coordenada por Shimon Gibson (UNC Charlotte), Rafi Lewis (Ashkelon Academic College) e James Tabor (UNC) – que também encontraram vestígios da Primeira Cruzada na região.

A novidade instigou os pesquisadores. Isso porque nunca foram encontrados depósitos materiais babilônicos e hebraicos lado a lado de tamanhas proporções. Há também evidências do cerco gerado pela Babilônia contra a cidade.

“Nós sabemos onde a antiga linha de fortificação existiu”, observou Gibson, fortalecendo a hipótese dos pesquisadores contra explicações anteriores à descoberta. Não se tratando de uma área de despejo ou uma necrópole, a concentração do material encontrado, é explicada pela guerra ocorrida nas fronteiras de Jerusalém.

Ponta de lança babilônica / Crédito: Divulgação
Joia desenterrada / Crédito: Divulgação

A conquista babilônica ocorreu cerca de quatro séculos após os reinados do rei Davi e do rei Salomão e durante um período em que o povo de Judá rejeitou a Deus e adorou falsos deuses. Os babilônios incendiaram o templo e levaram o povo de Judá para o cativeiro na Babilônia, onde permaneceram por 70 anos. 

O livro de Lamentações registra o profeta Jeremias chorando pela destruição de Jerusalém, mas aguardando o momento em que Deus levantaria sua mão.

“O Senhor não rejeitará para sempre. … Mas, embora cause tristeza, ainda assim terá compaixão ”( Lamentações 3: 31-32 ). Jeremias também se alegrou de que Deus não destruiu completamente o povo de Judá. Deus foi misericordioso ( Lamentações 3: 22-23 ).

Nabucodonosor foi o rei da Babilônia durante a conquista de Jerusalém.

Folha Gospel com informações de Christian Headlines