Vídeos mostram líder dos Arautos do Evangelho dando tapas em adolescentes — Foto: Reprodução/TV Globo
Vídeos mostram líder dos Arautos do Evangelho dando tapas em adolescentes — Foto: Reprodução/TV Globo

Por Walace Lara, Robinson Cerântula e Renato Ferezim
TV Globo

Novas provas e denúncias surgiram contra o grupo religioso Arautos do Evangelho, cuja sede fica em um castelo no meio da Serra da Cantareira, em Caieiras, na Grande São Paulo.

Vídeos mostram cerimônias com tapas em adolescentes e orientação sobre como pedir dinheiro a fieis.

O grupo católico conservador surgiu do rompimento com outra sociedade conservadora, a Tradição, Família e Propriedade (TFP).

Em 1999, o Monsenhor João Clá Dias, que fazia parte da TFP, fundou os Arautos do Evangelho. A associação diz que tem 15 colégios no Brasil, com cerca de 700 alunos.

Há uma semana, no entanto, o Ministério Público de São Paulo (MP-SP) começou a apurar denúncias de humilhações, tortura, assédio e estupro, que seriam praticados por integrantes do grupo católico conservador.

Neste domingo (27), a reportagem do programa Fantástico, da Rede Globo, recebeu três novos vídeos de uma mesma cerimônia de crisma dos Arautos do Evangelho. Quem celebra o ato é João Clá. As imagens mostram que, depois da bênção, ele dá tapas nos rostos dos jovens.

A mãe de duas adolescentes, que moraram por dois anos no Internato dos Arautos, na Grande São Paulo, presenciou a cena e ficou revoltada.

“Começou a celebração e o monsenhor começou a dar tapa na cara das meninas. Era tapa de estralar os dedos. Quando chegou na hora da minha filha, que deu um tapa na cara dela, eu levantei e falei ‘O que é que é isso? Que horror! Que absurdo!'”, disse ela, que preferiu não se identificar.

O desembargador Eduardo Gouvêa esclarece que, ainda que faça parte de um ritual religioso, o tapa é uma agressão que viola o Estatuto da Criança e do Adolescente.

“Criança e adolescente não pode ser vítima de situação de humilhação, de castigo, de violência nada disso. A religião é uma questão de bom senso, e não de violência e sofrimento”, explicou Gouvêa, que também coordena a divisão da Infância e da Juventude do Tribunal de Justiça de São Paulo.

Arrecadação de dinheiro

Um ex-interno que fez parte do grupo por 14 anos contou que foi convencido a abandonar o colégio para arrecadar dinheiro nas ruas com outros arautos.

“A gente usava de uma extorsão praticamente, né. Nós falávamos que levaríamos Nossa Senhora para abençoar a residência das pessoas com intuito financeiro. Era algo muito bem montado”, disse o rapaz, que também preferiu não se identificar.

A reportagem conseguiu uma gravação que mostra um homem, aparentemente João Clá, orientando os arrecadadores.

“Nossa Senhora quer de cada um o quê? Que conquiste dinheiro, que faça um apostolado. Quanto mais, melhor. Os senhores estão mais do que conquistando dinheiro, os senhores estarão atingindo méritos pessoais. A partir do momento que coletou donativos, liga-se algo no céu imediatamente”, orientou.

MP amplia investigação

O MP-SP, que já investiga a organização católica por denúncias de alienação parental, abuso sexual, racismo e maus tratos, criou nesta semana um grupo com oito promotores para ampliar a investigação.

“Daqui para frente nós estamos colhendo provas. Se a população tiver algum indício, alguma prova que envolva esse grupo religioso, que procure o promotor de Justiça da sua comarca”, orientou o subprocurador-geral de Justiça, Mário Luiz Sarrubbo.

O Conselho Estadual de Direitos Humanos de São Paulo (Condepe), que acompanha o caso desde junho, recebeu 10 novas denúncias apenas nesta semana.

“O Condepe reuniu uma série de provas e testemunhos, depoimentos que atestam a existência de muitos e graves crimes praticados pelos Arautos do Evangelho”, disse Dimitri Sales, presidente do órgão. Entre as denúncias ao Condepe estão relatos de crianças obrigadas a marchar por até cinco horas por dia.

Outro lado

A reportagem procurou a direção dos Arautos do Evangelho para saber o que o grupo tem a dizer sobre as novas denúncias e foi recebida em uma igreja lotada de fiéis, dentro do Castelo em Caieiras.

O representantes dos Arautos, padre Alex Brito, não quis ouvir as perguntas e exigiu que a equipe gravasse com outras pessoas. Na saída, a reportagem foi hostilizada.

Na ocasião das primeiras denúncias, o padre disse à reportagem que eram fruto de perseguição.

“Nós estamos diante de uma situação, de uma campanha de difamação feita por desafetos da instituição, desafetos da igreja em geral, uma perseguição religiosa onde a igreja católica está em foco e a instituição em particular”, disse ele.

Assista clicando aqui.

Fonte: G1