Crianças chinesas com bíblias infantis (Imagem: American Bible Society)
Crianças chinesas com bíblias infantis (Imagem: American Bible Society)

Um membro da Igreja ‘Early Rain Covenant’, da China (ERCC) diz que o Partido Comunista Chinês continua a perseguir membros da igreja ameaçando enviar seus filhos para campos de reeducação do governo e retirar a guarda desses pais sobre seus filhos.

Em um vídeo divulgado na última quarta-feira junto a um novo relatório da organização International Christian Concern (ICC), Liao Qiang, membro da ERCC em Chengdu, disse que, após fechar a igreja e prender o pastor Wang Yi em dezembro de 2018, o Partido Comunista Chinês continua a assediar seus membros.

Qiang disse no vídeo que acompanha o novo relatório da ICC sobre Supressão Religiosa na China, que sua família foi forçada a deixar a China e fugir para Taiwan, “porque o Partido Comunista Chinês é ilimitado em sua perseguição”.

“Eles não apenas nos ameaçaram, adultos normais, membros normais da igreja, mas também ameaçaram nossos filhos”, disse Qiang. “Alguns de nossos membros adotaram crianças, e o Partido Comunista enviou à força as crianças adotivas de volta à família original. Essa é a principal razão pela qual fugimos da China. Porque não podemos garantir que nosso filho adotivo também não seja levado por eles “.

As autoridades comunistas tiraram quatro crianças adotadas de uma família da Igreja Early Rain Covenant, as devolveram aos pais biológicos e eventualmente as dispersaram entre outras casas, disse Qiang.

“Esta é uma tragédia viva”, disse Qiang. “A constante opressão deles me fez sentir que devemos fugir da China, porque nossos filhos são muito importantes para nós”.

Um relatório anterior da ICC documentou a remoção forçada de crianças pelas autoridades da casa dos membros da igreja Pei Wenju e Jing Jianan. As autoridades do Partido Comunista Chinês disseram a eles que seus documentos de adoção não eram mais válidos, porque seus filhos estavam “presos por uma religião maligna”.

Além de afastar as crianças de seus pais cristãos, o Partido Comunista também ameaçou enviar crianças cristãs para campos de reeducação do governo e proibiu que os pais matriculem seus filhos nas escolas da igreja, disse Qiang.

Qiang pediu à mídia dos EUA que relate a opressão das minorias religiosas que ocorrem em toda a China. A transparência, disse ele, é uma das maiores ameaças ao regime comunista.

“A maior ajuda é denunciar a perseguição. Denuncie com justiça. Não estamos dizendo que o governo dos EUA deva pressionar o governo chinês. Não é isso que esperamos”, disse Qiang. “O maior medo do Partido Comunista é ser exposto. Eles têm medo da transparência. Não queremos que o governo ou o público dos EUA pressionem o Partido Comunista Chinês. Porque nessas circunstâncias, o CPC definitivamente intensificará a perseguição religiosa. Quanto piores as relações China-EUA ficam, mais o Partido Comunista persegue os cristãos”.

Segundo Qiang, a China continua a perseguir os cristãos para obter influência nas futuras relações diplomáticas com os EUA. Ele acrescentou que o Partido Comunista Chinês “faz você pensar que eles estão dispostos a se comprometer, porque sabem que os americanos se preocupam com a liberdade de religião. Se a China fizer uma concessão em liberdade religiosa, os EUA deveriam comprometer o comércio”.

“É o Partido Comunista que politiza a liberdade religiosa, não os cristãos”, enfatizou.

Gina Goh, gerente regional da ICC para o Sudeste Asiático e autora do relatório, explicou que cristãos como Qiang hesitam em pedir intervenção aos EUA, porque isso provavelmente convidaria mais perseguições governamentais.

“Mesmo sendo entrevistada em Taiwan, a família [de Qiang] foi assediada pelo governo”, disse ela, de acordo com a agência Baptist Press. “Você pode imaginar se eles se destacarem e disserem: ‘Queremos que o governo dos EUA faça algo por nós’, isso provavelmente convidaria mais perseguições. Mas não acho que isso contradiga os esforços de outras pessoas para tentar fazer as coisas em nome de nós”. deles.

“Acho que essa é mais uma razão para falarmos em nome deles, porque eles não estão em posição de condenar abertamente ou realmente convidar sanções ou punições ao governo”, explicou.

O relatório da ICC documenta como o Partido Comunista da China rotineiramente se volta contra os cristãos através de sua estrutura legal, sinicização, fechamento ou demolição de igrejas ou locais de culto, detenção de cristãos e pressão social.

Essa perseguição faz parte dos esforços do presidente chinês Xi Jinping para acabar com a religião e reforçar o controle sobre a vida das pessoas.

“Com a intensificada repressão contra igrejas, sancionadas pelo Estado e clandestinamente, não há mais um lugar seguro para se ser cristão na China”, escreveu Goh no relatório.

Ela disse que, embora “quase todas as províncias da China tenham visto perseguições aos cristãos em ascensão”, as províncias de Henan e Anhui, em particular, “têm uma alta porcentagem de cristãos”, e viram ativas “campanhas de demolição das cruzes”.

“Milhares de cruzes foram removidas desde 2018, com algumas igrejas sendo demolidas”, escreveu Goh. “A deterioração das relações sino-americanas poderia incentivar ainda mais a repressão contra as igrejas em 2020”.

Ainda assim, o relatório inclui uma nota de otimismo, observando que “a história mostrou que a tentativa de Pequim de controlar a religião com um número crescente de regulamentações ilegais será malsucedida.

A Portas Abertas (EUA) classifica a China na 23ª posição em sua lista mundial dos 50 países mais perigosos para os cristãos em 2020.

Fonte: Guia-me com informações de The Christian Post