Cristãos na Igreja Católica Liuhe, na vila de Liuhe, nos arredores do condado de Qingxu, norte da China
Cristãos na Igreja Católica Liuhe, na vila de Liuhe, nos arredores do condado de Qingxu, norte da China

O governo chinês proibiu estudantes internacionais africanos de adorarem em igrejas cristãs sob o pretexto de “impedir a infiltração estrangeira através da religião”, revelou um grupo de vigilância de perseguições. 

Um grupo de mais de 80 estudantes africanos que residem em uma cidade na província de Liaoning, no nordeste do país, disse à agência cristã chinesa Bitter Winter que em setembro, a pessoa encarregada da igreja dos  Three-Self que frequentava recebeu uma ordem do governo proibindo a participação de estrangeiros. em reuniões na igreja.

“Nós apenas queremos ter um lugar para nos reunir”, disse um aluno à agência.

Um crente chinês na igreja disse que em um simpósio de “infiltração antirreligiosa”, realizado pelo governo local em agosto, as autoridades questionaram a pessoa encarregada da igreja sobre atividades relacionadas ao exterior.

Logo após o simpósio, os estudantes internacionais foram expulsos da igreja.

“Em nossos corações, não estávamos dispostos a vê-los partir”, disse o crente chinês.

O governo também pressionou ou ameaçou outros locais de reuniões cristãs. Quando os estudantes africanos pediram permissão para participar de reuniões em outra igreja de três pessoas, eles foram recusados.

Um incidente semelhante ocorreu em uma universidade na província central de Hubei, onde uma igreja atendida por mais de 40 estudantes africanos recebeu ameaças repetidas de funcionários do governo que exigiram que o diretor da igreja expulsasse os estudantes internacionais.

Os estudantes agora são forçados a adorar em segredo, disfarçando suas reuniões como festas de aniversário, de acordo com Bitter Winter.

Um dos estudantes disse que ele não entende como o governo pode afirmar que há “liberdade de crença” na China.

“Não entendo por que os governantes da China não permitem que estrangeiros realizem reuniões religiosas”, disse o estudante. “Isso nos forçou a praticar nossa fé no esconderijo.”

A agência Bitter Winter também revelou que as universidades das províncias de Heilongjiang, Jilin, Henan e outros países são obrigadas a investigar o status religioso de estudantes e professores internacionais.

Um administrador de uma universidade em Jiujiang, uma cidade na província de Jiangxi, sudeste do país, disse que o governo monitora secretamente estudantes africanos.

“Se for descoberto que alguém está muito próximo, ambas as partes serão vigiadas e investigadas. Mas a maioria dos estudantes africanos não sabe que eles estão sendo monitorados”, explicou o administrador.

“Assim que os estudantes africanos forem descobertos participando de reuniões em igrejas domésticas ou divulgando o Evangelho a outros estudantes, eles serão expulsos da escola imediatamente”, disse o administrador.

Segundo o administrador, a escola já expulsou um estudante africano por pregar o Evangelho a colegas chineses. O aluno foi posteriormente deportado para seu país de origem.

Segundo a lei chinesa, os estrangeiros são proibidos de criar organizações religiosas ou realizar proselitismo na China, embora a lei não tenha sido aplicada até que o presidente Xi Jinping assumisse o cargo em 2012, segundo o South China Morning Post.

Recentemente, 13 famílias sul-coreanas que moravam na China como parte de um grupo missionário foram deportadas depois que autoridades comunistas decidiram que sua presença no país era “ilegal” devido ao seu trabalho evangelístico.

A China ocupa a 27ª posição na lista mundial da perseguição da Portas Abertas com os 50 países em que é mais difícil ser cristão.

Nos últimos anos, o governo do Partido Comunista proibiu as vendas on-line de Bíblias, nivelou igrejas e prendeu centenas de cristãos por “incitar a subversão do poder do Estado”.

Em julho, foi relatado que desde que a legislação do Regulamento sobre Assuntos Religiosos foi implementada no ano passado, escolas em toda a China ensinaram às crianças que o cristianismo é um “culto do mal”.

Folha Gospel com informações de The Christian Post