Cristãos no Sudão
Cristãos no Sudão

Oito líderes da Igreja de Cristo no Sudão devem enfrentar acusações criminais em um caso que um tribunal de primeira instância rejeitou há um ano.

Em uma decisão surpresa em agosto de 2018, um tribunal sudanês absolveu cinco dos oito, incluindo o presidente da Igreja de Cristo no Sudão, Ayouba Telyan, após uma disputa de longa data com um comitê do governo sobre a propriedade igreja.

O juiz decidiu que o caso era de natureza administrativa, não criminal, e ordenou que o acusado fosse libertado e que as propriedades da igreja fossem devolvidas.

Após apelos, no entanto – e no contexto de turbulência após a expulsão do ex-presidente Omar al-Bashir – a Suprema Corte decidiu que havia motivos para um processo criminal, e que um novo julgamento deveria prosseguir.

As acusações incluem “transgressão criminal e posse ilegal de propriedades da igreja”. Os oito líderes foram presos em agosto de 2017 depois de se recusarem a entregar o controle da propriedade da igreja a um comitê de construção e terras do governo.

O comitê foi estabelecido ilegalmente pelo Ministério de Orientação e Dotações em 2013. Desde então, houve um confisco gradual de propriedades da igreja pelo governo.

Igrejas como a Igreja de Cristo no Sudão e a Igreja Evangélica Presbiteriana do Sudão tiveram seus edifícios demolidos, líderes despejados e detidos e propriedades ocupadas ilegalmente.

Os líderes da Igreja de Cristo escreveram uma carta aberta ao governo, pedindo o fim da “violação sistemática das liberdades religiosas cristãs”.

Enquanto isso, o novo ministro da orientação e doações religiosas do governo de transição do Sudão, Nasr-Eddin Mofarah, disse no mês passado, que o Sudão é um país com diversidade religiosa, ao pedir a volta da comunidade judaica.

Fonte: Portas Abertas