Policiais na África do Sul

Pelo  menos  cinco pessoas morreram e mais 40 foram detidas, incluindo polícias que estavam de folga, quando vários homens armados invadiram, neste sábado, uma  igreja  localizada nos  subúrbios de Johannesburg, na África do Sul.

A polícia e os militares que foram chamados ao local por causa de um homicídio na Igreja Pentecostal Internacional da Santidade, localizada em Zuurbekom, perto de Joanesburgo, encontraram um carro com quatro pessoas mortas, “atingidas a tiro e queimadas”, bem como um segurança morto a tiro numa outra viatura, disse a polícia num comunicado enviado à Associated Press (AP).

Outras seis pessoas ficaram feridas, lê-se no comunicado. A polícia disse ainda ter resgatado homens, mulheres e crianças que foram mantidos como reféns e que, segundo as informações recolhidas até agora, moravam na igreja. O comunicado não refere, no entanto, quantas pessoas foram resgatadas.

A polícia disse ainda que foram encontradas mais de 30 armas e que o ataque realizado por um grupo de pessoas armadas “poderia ter sido motivado por uma disputa” entre membros da Igreja Pentecostal Internacional da Santidade.

A citada igreja  tem sido o terreno de vários confrontos, divulgados pelos órgãos da comunicação social locais, desde que o multimilionário, líder e fundador da mesma, Glayton  Modise faleceu  em 2016.

O comissário de polícia nacional sul-africana afirmou, por sua vez, no comunicado que a resposta das forças de segurança “evitou o que poderia ter sido um banho de sangue mais grave”.

Fonte: Jornal de Angola e RFI