Martinho Lutero - Reforma Protestante
Martinho Lutero - Reforma Protestante

A Reforma Protestante completou nesta última quarta-feira, 501 anos. Foi, certamente, o maior acontecimento na história da igreja cristã, depois do Pentecostes. Não foi uma inovação, mas um retorno ao Cristianismo apostólico. Não foi um desvio, mas uma volta às Escrituras. A igreja havia se desviado da simplicidade e pureza do evangelho. Doutrinas estranhas à palavra de Deus estavam sendo pregadas. No dia 31 de outubro de 1517, o monge agostiniano Martinho Lutero, opondo-se à prática das indulgências e aos desmandos do papado, fixou nas portas da igreja de Wittenberg, na Alemanha, noventa e cinco teses contra as indulgências. Estava deflagrada a Reforma Protestante do século XVI. A Reforma pode ser resumida em cinco ênfases:

Em primeiro lugar, as Escrituras estão acima das tradições da igreja. A autoridade suprema sobre a igreja não vem de seus concílios, mas das Escrituras. A tradição da igreja não está em pé de igualdade com a Bíblia; ao contrário, a Bíblia é a única autoridade de onde emana toda doutrina e prática da igreja. A palavra de Deus é inspirada, inerrante, infalível e suficiente. É nossa única regra de fé e prática. O lema da Reforma é Sola Scriptura.

Em segundo lugar, a salvação é pela fé e não pelas obras. A igreja havia se desviado do ensino apostólico e estava pregando uma salvação meritória, alcançada pelo esforço do homem. Uma salvação adquirida pelas obras. A Reforma colocou a igreja de volta nos trilhos da verdade, ensinando que a salvação é resultado não do que fazemos para Deus, mas do que Deus fez por nós, em Cristo Jesus. A salvação não é recebida pelo mérito das obras, mas unicamente pela fé em Cristo. A fé é a causa instrumental da salvação.  O lema da Reforma é Sola Fide.

Em terceiro lugar, a salvação é pela graça e não pelo mérito humano. A doutrina da salvação estava sendo distorcida. A igreja pregava que a salvação era alcançada pelo esforço do homem e administrada pela igreja. A Reforma refutou esse erro e voltou para as Escrituras para afirmar que a salvação é pela graça de Deus mediante a fé em Cristo. Não somos salvos pelas obras, mas para as boas obras. As obras não são a causa de nossa salvação, mas a sua evidência. A graça é o que Deus nos dá sem qualquer merecimento. Deus nos amou quando éramos fracos, ímpios, pecadores e inimigos. O amor de Deus por nós é provado, porque ao nos amar, Deus não escreveu esse amor com letras de fogo sobre as nuvens, mas esculpiu-o na cruz. Assim diz as Escrituras: “Deus prova o seu próprio amor para conosco pelo fato de ter Cristo morrido por nós, sendo nós ainda pecadores” (Rm 5.8). O lema da Reforma é Sola Gratia.

Em quarto lugar, a salvação foi realizada exclusiva e cabalmente por Cristo. A igreja estava ensinando que havia uma miríade de intercessores entre Deus e os homens, mas a Reforma restabeleceu a verdade. Voltou para as Escrituras e afirmou que Jesus é o único Mediador entre Deus e os homens (1Tm 2.5). Jesus é o único nome dado entre os homens pelo qual importa que sejamos salvos (At 4.12). Ele é a porta do céu (Jo 10.9), o Caminho, e a Verdade, e a Vida e ninguém pode ir ao Pai, exceto por ele (Jo 14.6). Jesus morreu pelos nossos pecados (1Co 15.3) e ressuscitou para a nossa justificação (Rm 4.25). Jesus é o Advogado junto ao Pai (1Jo 2.1). Ele é  o dono, o fundamento, o edificador e o protetor da igreja (Mt 16.18). Fora dele não há salvação. O lema da Reforma é Solus Christus.

Em quinto lugar, a glória da salvação só pertence a Deus. Pelo seu desvio da verdade, a igreja estava recebendo os louvores pela salvação, como se esta fosse uma obra da igreja. A salvação é obra de Deus de ponta a ponta. Deus o Pai nos escolheu, Deus  o  Filho nos redimiu, e Deus o Espírito Santo nos selou para o dia da redenção. Tudo foi planejado por ele, executado por ele e será consumado por ele. O apóstolo Paulo é enfático: “Porque dele, e por meio dele, e para ele são todas as coisas. A ele, pois, glória eternamente. Amém!” (Rm 11.36). Toda a glória da salvação deve ser dada a Deus. Resta claro afirmar, portanto, que toda glória dada ao homem é vanglória, é glória vazia, é idolatria, é abominação para Deus. Afirmamos, de forma retumbante, portanto, que o último lema da Reforma é Soli Deo gloria.

Rev. Hernandes Dias Lopes