Cristãos na Líbia
Cristãos na Líbia

Na segunda reportagem sobre o novo relatório da organização cristã Portas Abertas, dos EUA, que detalha as diferenças como homens e mulheres são perseguidos por sua fé em Cristo, Helene Fisher, especialista em perseguição de gênero da Portas Abertas, dos EUA e co-autora do relatório, fala sobre a perseguição contra as mulheres cristãs.

Os três pontos mais comuns de perseguição para as mulheres são: ataque sexual, casamento forçado e estupro, de acordo com Fisher.

Uma vez que existe um grande valor em muitas sociedades em torno da pureza de uma menina, “estupros direcionados” são frequentemente usados ​​para trazer vergonha a uma certa família.

Na Lista de Observação Mundial de Portas Abertas 2019, a tendência mais comum na perseguição específica de gênero aos cristãos é o estupro “direcionado” de mulheres apenas com o propósito de envergonhar suas famílias e comunidade.

“Quando elas são agredidas sexualmente, há uma vergonha que é trazida sobre elas nas visões da sociedade. E elas são, portanto, vistas como contaminadas, não tendo futuro e sua família também perde essa honra ”, explicou Fisher. “E às vezes toda a comunidade cristã é vista como menos valiosa, menos pura”.

Segundo o relatório do Portas Abertas, as perspectivas de sobrevivência para toda a família “contaminada” são comprometidas quando evitadas em uma sociedade “onde todos os aspectos da vida são comuns”.

Em alguns países, como a Arábia Saudita, é um “pecado mortal” trazer vergonha a uma família. O processo de envergonhar muitas vezes pode levar uma família a uma vulnerabilidade financeira.

Casamento forçado

Cinquenta e sete por cento dos 49 países relatados na Lista de Observação Mundial do Portas Abertas 2019, que forneceram relatórios sobre a perseguição específica por gênero das mulheres, citaram o casamento forçado como um problema em sua nação. 

Nenhum país relatou o casamento forçado como um problema para os homens.

O problema existe em lugares como o norte da África, o Oriente Médio e a Ásia, onde jovens cristãs podem ser atraídas para um relacionamento onde as “linhas entre abdução e sedução com intenção são obscuras”.

É relatado que mulheres cristãs foram atraídas ou sequestradas por grupos terroristas como o Al-Shabaab e o Boko Haram. As meninas costumam ser usadas como escravas sexuais, criadoras ou esposas de milícias.

As moças cristãs também são frequentemente raptadas por homens da religião majoritária da sociedade e forçadas a um casamento sem o consentimento de suas famílias.

Em alguns casos, alertou a Portas Abertas, as meninas eventualmente se culpam e fazem menos esforços para escapar “por causa da percepção de perda de honra e reputação devido à agressão sexual cometida contra ela”.

O relatório considera que algumas leis estaduais tornam o casamento forçado mais facilmente praticável no caso dos convertidos. 

Em lugares como o Paquistão, sequestradores de meninas ameaçam famílias se tentam envolver as autoridades para resgatar suas filhas. Em alguns casos, os membros da família são mortos tentando resgatar seus entes queridos.

Embora haja muitos casos em que mulheres cristãs foram raptadas e forçadas ao casamento, as mulheres que se convertem ao cristianismo muitas vezes podem ser forçadas a casar por suas próprias famílias.

“O casamento forçado é usado por uma família cuja filha decidiu por conta própria através de algum tipo de exposição ao cristianismo, talvez via satélite ou um amigo em algum lugar ou talvez tenha tido uma visão e ela se voltou para Jesus e sua família” explica. “[Elas] se casarão com alguém da religião tradicional para se certificar de que ela aderiu à religião dominante.”

Negação de custódia

Em muitos lugares onde as leis nacionais, tribais ou religiosas permitem que os cônjuges removam um cristão convertido do lar, as mulheres enfrentam o risco de divórcio forçado e perdem a custódia de seus filhos se se converterem ao cristianismo.

Embora esse dilema possa enfrentar homens e mulheres que se convertem ao cristianismo, parece ser uma ocorrência mais comum para as mulheres, de acordo com a reportagem do Portas Abertas.

“O divórcio forçado é um elemento seriamente dissuasivo para a conversão, que também é provocado pela honra da família; muitas vezes (mas não exclusivamente) a honra da família do marido ”, diz o relatório.

Fisher explicou que a perseguição contra as mulheres cristãs é frequentemente feita com impunidade em alguns países.

“Eles não vêem nada de errado com o que estão fazendo. E a sociedade deles não vê nada de errado”, disse Fisher. “O que eles estão fazendo é simplesmente visto como o modo de vida”.

Folha Gospel com informações de The Christian Post