Pastor Josimar Francisco da Silva
Pastor Josimar Francisco da Silva

O Conselho de Pastores do Distrito Federal (Copev-df) afirmou, nesta sexta-feira (15/05), que insistirá, dentro das instâncias administrativas do Governo do Distrito Federal (GDF), para a retomada gradual das atividades religiosas nos próximos dias.

A declaração é em resposta à decisão juíza Kátia Balbino de Carvalho, da 3ª Vara Federal Cívil do DF, liberando o funcionamento do comércio de acordo com uma escala estabelecida por ela, no entanto, em relação às igrejas, elas só poderão reabrir 45 dias após a retomada das demais atividades. O funcionamento gradual do comércio deve acontecer na próxima segunda-feira (18/05).

De acordo com o presidente da entidade, Josimar Francisco da Silva, da Igreja Assembleia de Deus, os religiosos foram pegos de surpresa pela nova decisão, que ocorreu no mesmo dia em que o conselho ingressou com um novo pedido para a retomada das atividades nos templos locais.

O líder evangélico afirmou à coluna que tentará sensibilizar as autoridades sobre a necessidade urgente de funcionamento das igrejas, por ser um dos segmentos essenciais.

A Justiça Federal autorizou, na manhã desta sexta-feira (15), a reabertura gradual do comércio no Distrito Federal. As datas do funcionamento das atividades e o planejamento ainda devem ser divulgados pelo GDF.

Novas medidas de flexibilização estavam suspensas desde o dia 6 de maio. Na ocasião, a juíza Kátia Balbino de Carvalho, da 3ª Vara Federal Cível, atendeu a uma ação civil pública movida pelo Ministério Público Federal, Ministério Público do Distrito Federal e Ministério Público do Trabalho, que questionaram protocolos de vigilância em saúde.

A decisão desta sexta adere sugestão prevista em uma nota técnica da Companhia de Planejamento do Distrito Federal (Codeplan), enviada à Justiça, que prevê uma flexibilização por blocos, a cada 15 dias.

Contudo, conforme a decisão, a reabertura depende do desenvolvimento de diretrizes sanitárias específicas para cada atividade, que ainda não foram apresentadas pelo GDF.

Fonte: JM Notícia