Kim SangDuck (Tony Kim), Kim Dong Chul e Kim Hak-song, são cristãos presos na Coreia do Norte.
Kim SangDuck (Tony Kim), Kim Dong Chul e Kim Hak-song, são cristãos presos na Coreia do Norte.

Três cristãos norte-americanos detidos na Coreia do Norte teriam sido transferidos de um campo de trabalho para um hotel nos arredores da capital, Pyongyang.

Fontes do Departamento de Defesa disseram à CBN News que Kim Dong-chul, Kim Sang-duk e Kim Hak-song foram todos retirados de um campo de trabalho no início do mês passado.

Fontes dizem que estão recebendo cuidados de saúde e estão descansando.

Na noite da última quarta-feira (2), o presidente dos EUA, Donald Trump tuitou sobre a possível libertação dos três prisioneiros.

“Como todos estão cientes, o governo passado [Obama] tem pedido por três reféns para serem libertados de um campo trabalhista norte-coreano, mas sem sucesso. Fique ligado!”, disse Trump.

Ativistas que fazem campanha em nome dos homens dizem que a medida é um “gesto de boa vontade” antes da cúpula planejada entre o presidente Trump e Kim Jong Un da ​​Coreia do Norte no próximo mês.

“Ouvimos isso através de nossas fontes na Coréia do Norte no final do mês passado”, disse Choi Sung-ryong, um dos principais ativistas. “Acreditamos que Trump possa levá-los de volta no dia do encontro entre EUA e Coréia do Norte ou enviar alguém para trazê-los de volta para os EUA antes da cúpula”.

Tony Kim, também conhecido por seu nome coreano Kim Sang Duk, foi preso em 22 de abril de 2017, pouco antes de embarcar em um avião para um voo de volta aos Estados Unidos.

“Meu pai acabara de terminar seu semestre como professor na Coréia do Norte quando foi preso no aeroporto”, disse Sol, o filho mais velho de Kim, em um vídeo do YouTube, publicado há vários meses.

Kim foi professor da Universidade de Ciência e Tecnologia de Pyongyang (PUST), a única instituição acadêmica privada do país.

“Minha mãe, meu irmão e eu sentimos muita falta do nosso pai”, disse o filho de Kim no vídeo.

Um mês depois, outro professor cristão de PUST, Kim Hak Song, também foi preso.

Ambos foram presos por suspeita de “atos hostis”.

Uma terceira pessoa, Kim Dong Chul, um missionário coreano-americano, foi preso em outubro de 2015 e sentenciado em março de 2016 a 10 anos de trabalhos forçados por subversão.

O assessor de segurança nacional do presidente Trump disse no início da semana que liberar os três americanos demonstraria a sinceridade da Coreia do Norte no período que antecede a reunião histórica entre os dois líderes.

“Se a Coreia do Norte libertar os norte-americanos detidos antes da cúpula norte-americana, será uma oportunidade para demonstrar sua autenticidade”, disse John Bolton, assessor de segurança nacional de Trump, à Fox News.

O presidente Trump confirmou na semana passada que seu governo estava em conversações de alto nível com a Coreia do Norte para garantir a libertação dos americanos.

“Estamos também lutando muito diligentemente para recuperar os três cidadãos americanos”, disse Trump em uma entrevista coletiva com o primeiro-ministro japonês, Shinzo Abe, em abril. “Eu acho que há uma boa chance de fazer isso. Estamos tendo um diálogo muito bom”.

O principal secretário de Estado dos EUA, Mike Pompeo, também relatou a difícil situação dos cristãos quando ele se reuniu secretamente com o líder da Coreia do Norte, Kim Jong Un, durante o fim de semana da Páscoa.

Enquanto isso, o presidente Trump diz que em breve anunciará um local e uma data para seu encontro com o ditador da Coreia do Norte.

“Estamos marcando reuniões agora e acho que provavelmente será anunciado nos próximos dias, local e data”, disse Trump a repórteres na terça-feira na Casa Branca.

Os dois líderes devem discutir uma ampla gama de questões na cúpula, incluindo a promessa da Coreia do Norte de acabar com seus testes nucleares e, eventualmente, desistir de suas armas atômicas.

“O principal é que queremos paz”, disse Trump. “Foi um grande problema, e acho que vai dar certo.”

Fonte: Guia-me com informações de CBN News