Bandeira da Índia
Bandeira da Índia

O nacionalismo hindu está gerando uma onda de perseguição violenta contra os cristãos na Índia, alertou o grupo de direitos humanos Portas Abertas.

Seu novo relatório, “Destructive Lies” , fornece relatos perturbadores de violência e intimidação generalizadas, com cristãos em risco de assédio, estupro e assassinato.

O relatório adverte que os cristãos na Índia estão agora enfrentando uma “ameaça existencial”, com a perseguição sendo atribuída a violentos nacionalistas hindus que subscrevem o Hindutva, uma forma de nacionalismo que define a identidade indiana apenas em termos de hinduísmo e vê todas as religiões e filosofias não indígenas da Índia como intrusos “não-indianos” na nação.

Em um incidente chocante, uma mulher deu à luz um bebê natimorto depois de ser violentamente chutada no estômago por uma multidão nacionalista hindu.

Em outro ataque, um trabalhador foi preso, espancado por uma multidão e depois deixado para morrer em uma cela pela polícia.

“Por meio da desinformação e da propaganda anticristã, este programa cultural e político de limpeza religiosa, muitas vezes de algumas das pessoas mais pobres do planeta, está se acelerando e precisa urgentemente de um foco internacional de atenção e ação”, escreve o Dr. David Landrum, Chefe de Advocacy for Open Doors UK & Ireland, na preparação do relatório.

A perseguição não diminuiu com a pandemia. Em vez disso, o relatório detalha uma campanha combinada de desinformação contra cristãos e muçulmanos, alegando que eles tentaram deliberadamente espalhar o vírus e infectar hindus.

Em vez de ajudar as vítimas, o relatório acusa a polícia, tribunais e atores do Estado de ignorar e, em alguns casos, até de tolerar a perseguição.

Os pesquisadores descobriram evidências de que a polícia e os agentes da lei se recusaram a prender ou impedir que grupos de hindus intimidassem fisicamente os cristãos e muçulmanos ou violassem suas propriedades.

Além disso, houve casos de perda ou destruição “deliberada” de provas e ocasiões em que eles simplesmente se recusaram a aceitá-las.

Um co-autor do relatório, que não pode ser identificado por razões de segurança, disse: “É chocante até que ponto … os atores estatais são cúmplices da violência”.

“Os burocratas, a polícia, os juízes de primeira instância, todos eles estão … conspirando abertamente para perseguir essas minorias.

“E políticos, líderes religiosos e proprietários de mídia poderosos [estão dando] sinais muito abertos de que esse [comportamento] é desejável.”

De acordo com o relatório, isso só agravou os desafios existentes de pobreza que muitos cristãos enfrentam: “A vida diária para muitas comunidades cristãs e muçulmanas nas áreas urbanas e rurais da Índia tornou-se uma luta excruciante para ganhar a vida e praticar sua fé, ao mesmo tempo em que permanecem vivos e sob o radar das organizações de extrema direita Hindutva que agora dominam a esfera pública e política indiana.”

O relatório foi escrito pela London School of Economics em nome da Portas Abertas. É baseado em dados compilados em fevereiro e março deste ano por uma equipe de pesquisa da LSE baseada na Índia.

Entre as recomendações estão os pedidos para uma comissão internacional de apuração de fatos para registrar os níveis de violência e violações dos direitos humanos contra as minorias religiosas na Índia.

Em outros lugares, ele exorta as empresas de mídia social a tomarem medidas firmes contra casos de discriminação, incitação e assédio contra minorias religiosas em suas plataformas.

O Dr. Landrum acrescentou: “A comunidade internacional não pode mais ignorar o que está acontecendo na Índia. Eles não podem fechar os olhos a essas atrocidades. Estamos pedindo uma investigação completa desta perseguição brutal e sistemática das minorias religiosas.”

Folha Gospel com informações de The Christian Today