Cristão no Iraque orando
Cristão no Iraque orando

Um arcebispo iraquiano pediu à Igreja britânica e aos líderes políticos que façam mais para salvar a comunidade cristã no Iraque.

Num discurso em Londres, o arcebispo de Irbil, o reverendo Bashar Warda alertou que os cristãos no Iraque enfrentam a extinção após uma queda dramática de cerca de 1,5 milhão no final do reinado de Saddam Hussein em 2003, para apenas 250.000 hoje. 

O arcebispo disse que as perspectivas para os que permaneceram no país não eram boas.

“O cristianismo no Iraque, uma das mais antigas igrejas, se não a Igreja mais antiga do mundo, está perigosamente perto da extinção. Aqueles de nós que permanecerem devem estar prontos para enfrentar o martírio”, disse ele.

Os cristãos têm presença no Iraque há pelo menos 1.400 anos, mas depois que o Estado Islâmico (EI) iniciou sua investida em 2014, eles e outras comunidades minoritárias sofreram intensa perseguição.

O arcebispo disse que seus “atormentadores” procuraram “acabar com nossa história e destruir nosso futuro”. 

“No Iraque não há reparação para aqueles que perderam propriedades, casas e empresas. Dezenas de milhares de cristãos não têm nada a mostrar pelo trabalho de suas vidas, por gerações de trabalho, em lugares onde suas famílias viveram, talvez, por milhares de anos “, disse ele. 

Embora o EI tenha sido constantemente afastado, muitas casas e igrejas foram destruídas. Os milhares que fugiram relutaram em voltar devido a preocupações com o desemprego e com mais instabilidade ou perseguição.

O Arcebispo criticou os líderes cristãos na Grã-Bretanha por sua resposta à crise, sugerindo que eles estavam com muito medo de condenar o extremismo por causa do “politicamente correto” e das acusações de islamofobia. 

“Você vai continuar tolerando esta perseguição interminável e organizada contra nós?” ele disse. “Quando a próxima onda de violência começar a nos atingir, alguém fará demonstrações e mostrará sinais de que ‘somos todos cristãos’?”

O arcebispo Warda disse temer que o silêncio e a inação levem ao fim do cristianismo no Iraque. 

“Amigos, podemos estar enfrentando o nosso fim na terra dos nossos antepassados. Nós reconhecemos isso. No nosso fim, o mundo inteiro enfrenta um momento de verdade”, disse ele. 

“Será permitido a um povo pacífico e inocente ser perseguido e eliminado por causa de sua fé? E, para não querer falar a verdade aos perseguidores, o mundo será cúmplice de nossa eliminação?”

Na semana passada, o arcebispo se reuniu com o secretário de Relações Exteriores do Reino Unido, Jeremy Hunt, para pedir ao governo britânico que fornecesse ajuda urgente à comunidade cristã no Iraque. 

Durante a reunião, o arcebispo instou o Secretário de Relações Exteriores a exercer pressão diplomática sobre o governo iraquiano para melhorar a segurança e acabar com a discriminação entrincheirada contra cristãos e outras minorias.

Arcebispo de Irbil com Jeremy Hunt
O arcebispo de Irbil (d) com o ministro das Relações Exteriores, Jeremy Hunt 
(Foto: ACN)

Ele também agradeceu ao Sr. Hunt por sua revisão sobre a perseguição global aos cristãos, dizendo que era “sem precedentes”. 

Um relatório provisório da análise concluiu que a perseguição contra cristãos em todo o mundo está chegando perto do “genocídio”. Os resultados completos serão divulgados no verão.

O encontro entre o Arcebispo e o Sr. Hunt foi facilitado pela entidade Ajuda à Igreja que Sofre do Reino Unido, que reconstruiu 2.000 casas nas planícies de Nínive para os cristãos.  

Em outra reunião com parlamentares na Câmara dos Comuns, o arcebispo disse que o governo iraquiano não forneceu nenhuma ajuda à comunidade cristã e que, na Europa, apenas a Hungria “combinou palavras com ações”. 

Folha Gospel com informações de The Christian Today