O chefe da Igreja Anglicana, o arcebispo de Cantuária Rowan Williams (foto), anunciou que deverá ir aos Estados Unidos no segundo semestre para aplainar divergências sobre a forma como a instituição lida com a homossexualidade de seus pastores e fiéis – que atualmente motiva quase um cisma entre os anglicanos.

“As divergências sobre alguns temas, em particular a sexualidade, se tornaram profundas e ameaçam nos cindir” reconheceu o arcebispo nesta segunda-feira em visita ao Canadá, onde os anglicanos também discutem o reconhecimento da homossexualidade no seio da Igreja.

A opção por deixar a decisão a cada diocese se deve ou não celebrar uniões homossexuais também pode resultar em sanções.

O Sínodo anglicano já exigiu que a Igreja Episcopal pare de dar bênçãos a uniões homossexuais até 30 de setembro próximo, sob pena de expulsá-la da “comunhão internacional” anglicana.

A cúpula episcopal rejeitou o ultimato e solicitou um encontro com Williams.

O arcebispo afirmou que deve se encontrar com líderes da Igreja Episcopal, ramo americano da Igreja Anglicana, que vem celebrando casamentos entre pessoas do mesmo sexo e consagrou como bispo de New Hampshire o reverendo Gene Robinson, assumidamente homossexual.