Ataque a cristãos na Nigéria
Ataque a cristãos na Nigéria

Os muçulmanos atacaram um mercado no estado de Kaduna, no centro-norte da Nigéria, na última quinta-feira (18), matando dezenas de cristãos. Eles também incendiaram uma igreja.

Moradores da área disseram que um muçulmano no mercado de Kasuwan Magani, a 36 quilômetros ao sul da cidade de Kaduna, começou a gritar “ladrão!” no final da tarde, em uma ação calculada para causar confusão antes de um ataque contra cristãos.

“Um muçulmano lançou um falso alarme sobre um ladrão no mercado, que causou a confusão, e então outros muçulmanos começaram a cantar “Allahu Akbar” [Alá é Maior], atacando cristãos, incendiando casas e lojas pertencentes a cristãos no país. Kefas Mallam contou ao Morning Star News.

O reverendo James Moore, de uma igreja evangélica local, disse ao Morning Star News que os assaltantes incendiaram uma igreja. “Houve um alerta de um ladrão no mercado”, disse ele. “Quando as pessoas ouviram “ladrão!”, eles estavam confusos e começaram a correr. Foi uma estratégia da juventude muçulmana para atacar o povo. Eles foram assassinados, saqueando e queimando”.

Moore, que é secretário distrital de sua igreja, disse que era difícil dar um número definitivo de mortes, já que a cidade estava em completo bloqueio após a imposição de um toque de recolher de 24 horas na noite do ataque. O governador de Kaduna, Nasir El-Rufai, visitou o local na área do governo local de Kajuru na sexta-feira (19) e disse que 55 pessoas foram mortas.

“De acordo com o que a polícia me informou até agora, 55 cadáveres foram recuperados; alguns queimaram além do reconhecimento”, disse ele.

A imprensa local informou que a violência começou como um ataque de jovens que atacaram o mercado e que se transformou em um confronto entre “dois grupos de jovens de diferentes religiões”.

O governador El-Rufai disse a repórteres que o governo estadual impôs um toque de recolher na área e que as agências de segurança estão restaurando a calma. “Não pode continuar, vamos lidar de forma decisiva com qualquer pessoa envolvida nisso”, disse ele. “Este país pertence a todos nós; esse estado pertence a todos nós. Ninguém vai afugentar ninguém. Então, você deve aprender a viver com todos em paz e justiça”.

Ele acrescentou que a violência era “totalmente inaceitável” e que qualquer pessoa conectada ou mesmo observando a violência seria detida.

“Eu cobri as agências de segurança e as autoridades aqui, locais e tradicionais, para garantir que todas as pessoas ligadas a isso, seja como participante, instigadora ou mesmo assistindo enquanto está acontecendo, sejam presas e processadas”, disse ele.

Fonte: Guia-me