O comerciante iraniano Mustafa Rahimi está preso por vender Bíblia. (Foto: Reprodução/ Mohabat News)
O comerciante iraniano Mustafa Rahimi está preso por vender Bíblia. (Foto: Reprodução/ Mohabat News)

Relatos indicam que Mustafa Rahimi, um livreiro da cidade curda de Bukan, no Irã, foi condenado pelo 101º Tribunal Revolucionário Público local a seis meses e um dia de prisão por vender Bíblia.

Rahimi administrava uma livraria no beco do Banco Nacional em Bukan, que fica na província oeste do Azerbaijão, perto da fronteira com o Iraque, informa a agência de notícias cristã iraniana Mohabat News.

O comerciante, que já havia sido detido pela agência de inteligência em 11 de junho de 2019, foi condenado a pagar uma multa e à prisão, mas foi libertado com 200 milhões de fianças. No entanto, fontes dizem que ele foi chamado para detenção alguns dias depois e está detido na prisão central de Bukan.

Fontes próximas à família do homem confirmaram sua prisão sob a acusação de vender Bíblia.

O grupo curdo de direitos humanos Hengaw Organization for Human Rights informou que Rahimi foi preso novamente em meados de agosto e condenado a três meses e um dia de prisão em 28 de agosto.

A prisão de Rahimi ocorre porque houve um crescimento do cristianismo na nação xiita e o regime opressivo proibiu a venda e publicação de literatura cristã.

Dezenas de cidadãos iranianos foram presos e enviados para a prisão sob a acusação de agir contra a segurança nacional através da propaganda do cristianismo este ano.

O governo oprime e viola severamente os direitos das minorias religiosas, especialmente os cristãos de língua persa. Como resultado, para eles, não há outra maneira senão procurar asilo em outros países.

A pressão organizada sobre os cristãos aumentou significativamente nos últimos quarenta anos. A raiva e a violência que eclodiram após a revolução contra os cristãos levaram os iranianos a começar a pesquisar eles mesmos o cristianismo.

Atualmente, as igrejas iranianas são amplamente reconhecidas em todo o mundo e estão entre as igrejas que mais crescem no mundo.

A República Islâmica do Irã restringiu severamente o acesso a livros com conteúdo cristão, bem como a proibição de publicar, copiar e vender esses livros com punição severa.

As notícias da sentença de Rahimi seguem uma série de ações repressivas contra os cristãos na República Islâmica.

Em julho, Mahrokh Kanbari, uma cristã de 65 anos, foi condenada a um ano de prisão por acusações de “agir contra a segurança nacional”. Ela também foi acusada de se envolver em “propaganda contra o sistema”.

Kanbari foi presa no inverno passado, quando três agentes de segurança revistaram sua casa e confiscaram Bíblias e outros materiais relacionados a cristãos. Sua prisão foi condenada pelo vice-presidente dos EUA, Mike Pence.

“Estou chocado ao ouvir relatos de que os governantes despóticos do Irã puniram outra mulher cristã por exercer sua liberdade de culto”, escreveu Pence em no Twitter.

“O Irã deve libertar Mahrokh Kanbari hoje. Sejam sunitas, sufis, bahá’ís, judeus ou cristãos, os EUA defenderão pessoas de fé no Irã como Marokh e Pastor Bet Tamraz, cujas perseguições são uma afronta à liberdade religiosa”, concluiu.

Também em julho, oficiais de inteligência iranianos invadiram as casas de oito convertidos cristãos na cidade de Bushehr, no Sul, acusando-os de “ações contra a segurança nacional” e alegando que sua participação em uma igreja doméstica constituía “pertencer a uma organização ilegal”.

De acordo com o Artigo 18, uma organização que apoia a comunidade cristã iraniana e promove a liberdade e a tolerância religiosa, os oito convertidos foram libertados sob fiança (equivalente a US$ 30.000), mas há medo de que possam enfrentar longas penas de prisão.

O Artigo 18 também informa que uma jovem cristã convertida que passou seis meses na prisão por ser membro de uma igreja doméstica foi presa novamente em julho por “hijab inadequado”.

No início deste mês, o Irã sentenciou três mulheres detidas desde abril a pelo menos 16 anos de prisão por desobedecer ao rígido código de vestimenta islâmico do país.

Em agosto passado, o Irã condenou 12 cristãos a um ano de prisão por participarem de uma igreja doméstica, que o estado considerava “atividades de propaganda”.

O Irã é o nono pior país do mundo em perseguição cristã, segundo a Lista Mundial de Perseguição 2019 da Portas Abertas.

Apesar dessa perseguição, o Irã está testemunhando um dos movimentos de igrejas subterrâneas que mais cresce no mundo, já que a Portas Abertas dos EUA estima que agora existem mais de 800.000 cristãos no país.

No início deste ano, o ministro da inteligência do Irã, Mahmoud Mahmoud Alavi, expressou preocupação com o crescimento do cristianismo no país.

Na reunião do Departamento de Estado dos EUA para o Avanço da Liberdade Religiosa, em julho, a filha de um pastor iraniano contou ao presidente Donald Trump e à mídia sobre como seu pai foi condenado a 10 anos de prisão por “agir contra a segurança nacional, formando igrejas domésticas, participando de seminários no exterior e proselitismo do cristianismo sionista ”

A filha, Dabrina Bet Tamraz, acrescentou que seu irmão e mãe receberam sentenças mais curtas.

Em 2009, depois que a igreja da família foi fechada, Tamraz disse que ela também foi presa e detida. No entanto, ela conseguiu escapar após ser libertada.

“[Os cristãos convertidos] não têm direitos em nosso país”, disse Tamraz. “Estou aqui hoje para aumentar a conscientização.”

O Irã é rotulado como “país de especial preocupação” por violações da liberdade religiosa pelo Departamento de Estado dos EUA.

Fonte: Guia-me com informações de The Christian Post