Bandeira da ONU
Bandeira da ONU

De acordo com o jornal britânico The Sun, um ex-alto comissário das Organização das Nações Unidas (ONU) revelou um esquema de pedofilia de funcionários das Nações Unidas.

Foi estimado que 3.300 funcionários pedófilos praticaram 60 mil estupros na última década.

Em 2017, Andrew MacLeod, professor e ex-chefe da ONU, entregou à secretária do Departamento Britânico de Desenvolvimento Internacional (DFID), Priti Patel, um dossiê cheio de denúncias.

No documento, o professor expôs a prática de abusos sexuais de trabalhadores da ONU, em todo o mundo. Muitos dos abusadores agem em locais ações humanitárias, onde têm acesso a mulheres e crianças vulneráveis.

MacLeod defendeu ainda que, nas últimas duas décadas, os crimes foram encobertos. Pessoas que tentaram denunciar foram demitidas pela organização.

Ao compartilhar o dossiê, Andrew disse que os abusos infantis estavam na mesma escala que os casos registrados na Igreja Católica.

– Existem dezenas de milhares de trabalhadores humanitários em todo o mundo com tendências pedófilas, mas se você usar uma camiseta da UNICEF, ninguém perguntará o que você está fazendo. Você tem impunidade e pode fazer o que quiser. É endêmico no setor de ajuda [humanitária] em todo o mundo. O sistema está com corrompido e deveriam ter parado isso há anos – declarou.

Ainda segundo o professor, em um período de 12 meses, em 2016, as forças de paz da ONU e funcionários civis abusaram de 311 pessoas.

Após as denúncias, Patel renunciou ao cargo e disse que funcionários importantes do DFID encobriram os casos de abuso.

Fonte: Pleno.News