Os Estados Unidos rejeitaram nesta segunda-feira as críticas palestinas à reinauguração da sinagoga histórica de Hurva, reconstruída na parte antiga de Jerusalém.

“Nos parecem muito perturbadoras as declarações de vários funcionários palestinos, o que apenas pode aumentar as tensões”, disse Philip Crowley, porta-voz do Departamento de Estado.

Em meio à crise de confiança com Israel, Crowley disse que “todas as partes devem tomar medidas para manter a calma” e pediu aos líderes palestinos que coloquem fim às provocações.

Centenas de pessoas assistiram na segunda-feira à inauguração da sinagoga, em meio às críticas dos palestinos e às tensões político-religiosas.

“Esta sinagoga é um prelúdio à violência, ao extremismo e ao fanatismo religioso, e não se limita aos judeus extremistas, e sim, inclui membros do governo israelense”, disse Hatem Abdel Qader, chefe do arquivo de Jerusalém dentro do movimento Fatah, do presidente da Autoridade Nacional Palestina, Mahmud Abbas.

O Hamas, que controla Gaza, convocou para a terça-feira “um dia de ira” como forma de protesto.

A sinagoga de Hurva (ruína, em hebraico), um dos lugares de culto dos judeus antes da criação do Estado de Israel, em 1948, foi reconstruída por completo, 62 anos depois de ter sido destruída pela Jordânia.

Fonte: AFP