Crucifixo sobre sangue (Foto: Twitter)
Crucifixo sobre sangue (Foto: Twitter)

Mais de 500 crimes de ódio anticristãos ocorreram na Europa em 2021, uma queda significativa em relação aos quase 1.000 ocorridos no ano anterior, de acordo com um novo estudo.

O Observatório de Intolerância e Discriminação contra os Cristãos na Europa (OIDAC, sigla em inglês), uma organização não governamental com sede na Áustria, divulgou seu Relatório Anual de 2021 na semana passada. O relatório detalha “casos de intolerância e discriminação contra cristãos na Europa” de 1º de janeiro de 2021 a 31 de dezembro de 2021.

O relatório identificou 519 incidentes classificados como crimes de ódio em 2021. Com 124, a França foi o lar do maior número de crimes de ódio anticristãos no ano passado. A Alemanha teve o segundo maior número de tais incidentes, com 112 crimes de ódio relatados contra cristãos, seguida pela Itália (92), Polônia (60), Reino Unido (40), Espanha (30), Áustria (15), Bélgica ( 10), Irlanda (7) e Suíça (7).

Na Alemanha, os 112 incidentes listados pelo OIDAC como crimes de ódio anticristãos excederam os 109 que o governo alemão incluiu em suas estatísticas detalhando o número de crimes de ódio, indicando que o governo alemão não concordava que alguns dos incidentes classificados como tal pelo OIDAC se encaixa na definição relevante do governo. A polícia nacional na França registrou 857 crimes de ódio em 2021, enquanto dados compilados pelo OIDAC revelaram 701 crimes de ódio no Reino Unido e 156 na Áustria.

O vandalismo constituiu o tipo mais frequente de crime de ódio dirigido aos cristãos em 2021, com o OIDAC registrando aproximadamente 300 exemplos de “pichações, danos à propriedade e profanação” dirigidos a organizações e igrejas cristãs.

Oitenta crimes de ódio anticristãos envolveram o “roubo de ofertas, objetos religiosos, hóstias consagradas e equipamentos da igreja”. De acordo com o OIDAC, 2021 apresentou 60 ataques anticristãos envolvendo incêndio criminoso ou intencional, 14 agressões físicas ou ameaças e quatro homicídios.

Os 519 crimes de ódio anticristãos constituíram uma queda notável em relação aos 981 incidentes medidos em 2020. O número de crimes de ódio anticristãos em 2021 também é um pouco menor do que os 578 ocorridos em 2019.

Além dos crimes de ódio anticristãos, o relatório anual de 2021 do OIDAC destacou exemplos de “marginalização que os cristãos enfrentam na Europa”.

“A liberdade religiosa está gravemente ameaçada na Europa, especialmente a dos cristãos”, disse Todd Huizinga, pesquisador sênior para a Europa no Religious Freedom Institute, no relatório. “E a maior ameaça surge do relativismo. Agora que o relativismo é a visão de mundo reinante no Ocidente, ele desenvolveu seu próprio dogma rígido e absolutista, que, em nome de uma falsa tolerância, não tolera oposição. Um princípio central da esse dogma é que minorias sexuais, LGBT e indivíduos com gênero fluido são minorias oprimidas cujas opiniões devem ser afirmadas”.

Huizinga explicou que, sob a filosofia do relativismo, “as visões tradicionais sobre sexualidade e casamento da maioria das religiões, incluindo o cristianismo, negam a esses grupos oprimidos seus direitos humanos e, ao se recusarem a abraçar o casamento gay, a fluidez de gênero e outras inovações sexuais como bens positivos, violam a dignidade dessas minorias oprimidas: a fé tradicional não passa de uma intolerância odiosa. Deve ser suprimida”.

A reportagem também trazia uma entrevista com Paivi Rasanen, legisladora finlandêsa identificada por Huizinga como exemplo de alvo do relativismo do Ocidente. Rasanen foi absolvida de acusações criminais no início deste ano, depois que um promotor rotulou suas declarações em defesa do casamento tradicional como discurso de ódio.

“O apelo de 26 páginas da promotoria ataca abertamente os ensinamentos centrais da fé cristã, considerando-os ofensivos”, disse Rasanen. “O promotor tenta negar a mensagem central da Bíblia: o ensino da lei e do Evangelho. Deus criou todos os seres humanos à Sua própria imagem, e todos nós temos o mesmo valor, mas também somos todos pecadores. Os pontos de vista pelo qual sou acusado não se desvia do chamado cristianismo ‘clássico’, nem minha visão sobre o casamento se desvia da política oficial da Igreja Evangélica Luterana da Finlândia. É estranho que tenhamos ido tão longe na Finlândia.”

O relatório detalha como a hostilidade contra as crenças cristãs tradicionais se estende além de Rasanen.

“Organizações lideradas por cristãos foram banidas das plataformas de mídia social por expressarem crenças divergentes, enquanto insultos e discursos violentos contra os cristãos eram permitidos nas mesmas plataformas”, afirmou o relatório. “Leis de discurso de ódio redigidas de forma ambígua e legislação de ordem pública minaram o direito à liberdade de expressão, levando a várias prisões injustificadas de pregadores de rua, principalmente no Reino Unido”

O relatório destacou a implementação de “zonas tampão de acesso seguro” ao redor das clínicas de aborto, projetadas para impedir que ativistas pró-vida se envolvam em “vigílias de oração” e compartilhem a mensagem pró-vida com o público.

O OIDAC criticou os esforços para restringir os direitos de liberdade de consciência dos profissionais médicos que se opõem a participar de procedimentos que violem suas crenças religiosas sinceras e a implementação de medidas que a organização de defesa considerou como violações dos direitos dos pais.

Especificamente, o relatório alertou sobre os esforços do governo para minar a opinião dos pais sobre a prescrição de bloqueadores de puberdade e hormônios sexuais cruzados para seus filhos ou para serem encorajados a fazer operações de mudança de sexo que mutilam o corpo.

Outros pais não estão sendo informados sobre o aborto secreto de suas filhas menores de idade. Também pintou um quadro de “tratamento injustificável e discriminatório” contra igrejas e locais de culto que foram obrigados a fechar por meses em resposta à pandemia de coronavírus.

“A hostilidade em relação às perspectivas religiosas se manifesta visivelmente em crimes de ódio e outros comportamentos abertamente discriminatórios contra os cristãos”, acrescentou o relatório. Apelou aos governos europeus individuais e organizações supranacionais para fazer valer mais vigorosamente os direitos humanos estabelecidos à liberdade de expressão, reunião, religião e crença.

Folha Gospel com informações de The Christian Post

Comentários