Segundo a decisão do Tribunal Superior de Trabalho, o funcionário da Companhia de Bebidas das Américas (Ambev) deve ser indenizado por danos morais por ter sido obrigado a assistir filmes pornôs.

O Tribunal Superior do Trabalho (TST) decretou o pagamento de uma indenização de R$50 mil para um funcionário da filial de Curitiba da Companhia de Bebidas das Américas (Ambev), nesta segunda-feira. Segundo informaram os magistrados, Elcio Milczwski, que alega ter sido obrigado a ver filmes pornôs dentro da empresa, sofreu danos morais, e tem o direito à indenização.

Elcio, que é casado e evangélico, afirmou ter passado por situações vexatórias e constrangedoras dentro da empresa. De acordo com ele, nos anos de 2003 e 2004, seu gerente levava garotas de programas às reuniões e o obrigava a assistir shows de stripper e filmes pornôs como forma de ‘motivar’ a cumprir suas metas.

Nos autos, o profissional afirmou também que chegou a ficar amarrado na própria sala de trabalho para assistir filmes pornôs e performances de strippers. Além disso, o gerente também organizava festas em chácaras e levava garotas de programa e dava “vale garota de programa” aos funcionários que atingissem as metas.

A Ambev recorreu da sentença no TST e na primeira e na segunda instância, mas o colegiado não reconheceu o recurso. A empresa alegou que o valor da indenização é desproporcional frente ao dano sofrido pelo empregado que seria mínimo.

Em nota enviada ao G1, a Ambev reconheceu os comportamentos indevidos aos funcionários dizendo que “prega o respeito e valoriza o trabalho em equipe.”

“A companhia, que conta com mais de 30 mil funcionários do Brasil, não pratica ou tolera qualquer prática indevida com seus funcionários. Casos antigos e pontuais não refletem o dia a dia da empresa. O bom ambiente de trabalho é refletido pelos inúmeros prêmios de gestão de pessoas que a Ambev recebe a cada ano”.

[b]Fonte: The Christian Post[/b]