Montevidéu, capital do Uruguai
Montevidéu, capital do Uruguai

A nova edição do Latinobarometro , um dos maiores estudos estatísticos da América Latina, revela que o número de evangélicos no Uruguai cresceu de 4,6% para 8,1% em dois anos.

No entanto, em termos gerais, o país ainda se destaca dos demais devido aos seus altos níveis de agnósticos, ateus e não religiosos. Mais da metade da população afirma não se identificar com nenhuma religião ou mesmo acreditar em Deus.

O Uruguai continua sendo o país latino-americano com o menor número de católicos. É seguido por Honduras e El Salvador. A porcentagem de católicos no Uruguai caiu quase pela metade em duas décadas: de 60% para 32% da população.

É seguido por Honduras e El Salvador, embora os dois países da América Central tenham altas porcentagens de população evangélica.

Jorge Márquez, pastor da maior igreja evangélica de Montevidéu, confirmou ao site de notícias latino-americano Evangélico Digital que “conventos foram fechados e o número de pessoas que estudam para se tornar clérigos católicos diminuiu. Portanto, eu poderia dizer que os números que o Latinobarometro está manipulando são aparentemente consistentes”.

Márquez também destacou que nos últimos 15 anos surgiram fortes ministérios evangélicos no Uruguai, abrindo muitas igrejas e levantando muitos pastores.

“É normal que, se você perguntar às pessoas na rua, elas tenham uma visão melhor da igreja evangélica. Isso não significa que haja mais evangélicos, mas que haja mais pessoas envolvidas no movimento evangélico”, acrescentou Márquez.

O mais próximo do cenário uruguaio é a Argentina, embora quase metade seja católica, ou o Chile, onde a Igreja Católica viu uma queda no número de devotos após os recentes escândalos de abuso sexual.

Além disso, o Latinobarometro mostra que o crescimento de fiéis que não se identificam com nenhuma igreja, que em 2017 representava um décimo da população, caiu e agora não chega a 2%.

Folha Gospel com informações de Evangelical Focus