Facebook
Facebook

O gigante da mídia social, Facebook ajudou a conectar milhares de terroristas do Estado Islâmico a outros jihadistas em potencial em todo o mundo por meio do recurso “amigos sugeridos”, alertou um grupo de vigilância.

A ‘Counter-Extremism Project’, uma organização sem fins lucrativos dedicada ao combate às redes de apoio relacionadas ao terrorismo, conduziu um estudo a ser divulgado no final deste mês sobre como os jihadistas estão usando o Facebook para recrutar potenciais terroristas e disseminar ideologias extremistas.

De acordo com o The Telegraph, o estudo analisou as contas do Facebook de mais de 1.000 apoiadores do Estado Islâmico (também conhecido como ISIS, ISIL ou Daesh) em 96 países e analisaram vários posts destinados a radicalizar seus alvos.

O estudo conclui que os administradores do Facebook não estão fazendo o suficiente para lidar com o extremismo que é encontrado e facilitado usando a plataforma.

“Este projeto revelou a incapacidade ou falta de vontade do Facebook em lidar eficientemente com conteúdo extremista em sua plataforma”, disse Gregory Waters, um dos autores do relatório, ao The Telegraph. “O fracasso em policiar eficazmente sua plataforma permitiu que o Facebook se tornasse um lugar onde existem redes extensivas de apoio ao Estado Islâmico, propaganda são disseminadas, pessoas são radicalizadas e novos partidários são recrutados”.

Enquanto o Facebook se esforça para usar algoritmos para aproximar pessoas com interesses comuns, os pesquisadores descobriram que os usuários do Facebook com visões ou inclinações radicais islâmicas eram regularmente sugeridos para se tornarem amigos uns dos outros pela plataforma.

“O Facebook, em seu desejo de conectar o maior número possível de pessoas, criou inadvertidamente um sistema que ajuda a conectar extremistas e terroristas”, disse o pesquisador Robert Postings à Reuters.

Waters detalhou como ele mesmo foi inundado com sugestões para se tornar amigo de usuários que têm crenças extremistas depois que ele fez contato com um extremista ativo no Facebook.

“O fato de o próprio algoritmo de amigos do Facebook estar facilitando diretamente a disseminação desse grupo terrorista em seu site é inaceitável”, disse Waters.

Postings explicou que foi bombardeado com sugestões para se tornar amigo de usuários extremistas baseados nas Filipinas poucas horas depois de clicar em vários artigos de notícias não extremistas sobre a revolta islâmica ocorrida na nação do Pacífico no ano passado.

A pesquisa também indica que o Facebook não está acompanhando a remoção oportuna de usuários extremistas. Em vários casos, o Facebook remove a postagem ou comentário extremista de um usuário, mas não realiza ações para remover o usuário da plataforma.

O estudo constatou que dos 1.000 perfis de apoio do Estado Islâmico examinados pelas pesquisas, menos de 50% deles foram suspensos pelo Facebook seis meses depois.

“Mesmo quando os perfis ou conteúdo são removidos, nem sempre isso é feito rápido o suficiente, permitindo que o conteúdo do Estado Islâmico seja amplamente compartilhado e visto antes de serem removidos”, disse Postings.

Também houve casos em que o Facebook restabeleceu a conta de um usuário mesmo depois de ter sido removido por causa de atividades relacionadas a terroristas.

O suspeito do terrorismo britânico, Abdulrahman Alcharbati, acusado de compartilhar centenas de links no Facebook que pediam atos de terror, teve sua conta desativada e restaurada nove vezes antes de ser retirada definitivamente no ano passado.

“A remoção de perfis que disseminam propaganda do EI, apelos por ataques e apoio ao grupo são importantes”, afirmou Postings. “O fato de que a maioria dos perfis pró-Estado Islâmico neste banco de dados não foram removidos pelo Facebook é excepcionalmente preocupante”.

Comentando o relatório, um porta-voz do Facebook explicou que “não há lugar para terroristas no Facebook” e que os administradores estão “trabalhando agressivamente para garantir” que não existam grupos terroristas ou terroristas usando o site.

O comunicado do Facebook acrescentou que a empresa precisará investir mais milhões para “identificar e remover conteúdo terrorista”.

J.M. Berger, escritor e membro do Centro Internacional de Contra-Terrorismo, disse à CBS News que o uso jihadista das mídias sociais é um problema que tem sido notado há vários anos, mas as coisas aparentemente melhoraram nos últimos dois anos.

“Costumava ser extraordinariamente fácil encontrar esse conteúdo – encontrar outras pessoas fazendo recrutamento ativo que estão sendo apoiantes abertos – agora esse não é mais o caso”, disse Berger. “Realmente não podemos esperar 100 por cento de eliminação deste conteúdo nessas plataformas, mas agora a questão é quanto resta?”.

Berger acrescentou que a questão é mais complicada do que simplesmente gerenciar conteúdo extremista postado online porque “o que temos visto é que esses algoritmos recomendam qualquer tipo de conteúdo … seja conteúdo extremista ou conteúdo normal”.

“Você pode estar no Facebook e ser um apoiador do Estado Islâmico e não postar conteúdo que possa te suspender se você não colocar nada publicamente do que não ser pego”, explicou Berger. “Mas se você faz parte de uma rede social que apoia o EI, então uma vez que uma pessoa se torne sua amiga – o Facebook vai sugerir que todos se tornem amigos”.

Fonte: Guia-me e The Christian Post