Famílias cristãs passam fome na Índia mas não abandonam a fé
Famílias cristãs passam fome na Índia mas não abandonam a fé

Cristãos em várias aldeias do estado de Chhattisgarh, Índia, estão passando fome enquanto membros de religiões tribais os privam de trabalho e se recusam a vender comida para eles, disseram fontes.

No extremo sul do estado de Chhattisgarh, aldeões que praticam a religião tribal de culto ancestral e natural atacaram as casas de três famílias cristãs na vila de Bodiguda, distrito de Sukma, em 23 de maio, deixando 25 pessoas desabrigadas, incluindo quatro bebês.

“Suas casas estão em ruínas”, disse o pastor Philip Veeti ao jornal Morning Star News. “Eles despejaram grãos suficientes para alimentar os cristãos durante o ano inteiro no ralo. As famílias dificilmente conseguem encher seus estômagos com as provisões limitadas que têm.

Os aldeões, naquele dia, alertaram os cristãos a abandonar sua fé ou enfrentar a morte, disse ele. Quando as três famílias se recusaram, uma multidão de cerca de 150 pessoas derrubou os telhados das três casas dos cristãos tribais, jogando suas roupas e outros pertences.

Os únicos provedores das famílias, Sariam Virma, Kurram Desa e Panda Suba, fugiram para a vila de Injaram, a 35 quilômetros de distância, temendo por suas vidas, disse o Pastor Veeti. Suas famílias em Bodiguda estão vivendo sob a sombra escassa de uma árvore Tamarind em temperaturas que atingiram mais de 42 graus. As mulheres também montaram um galpão de madeira e grama.

“O galpão mal consegue fornecer qualquer sombra. Eles colocaram seus filhos em sacos de folhas, mas por causa da exposição ao sol quente, eles sofreram um ataque solar e se tornaram muito fracos ”, disse o Pastor Veeti ao Morning Star News.

Os adivasis tribais também atacaram as famílias em 2017, exigindo que os cristãos deixassem de adorar na aldeia. A polícia se recusou a registrar a queixa dos cristãos contra eles, disse o pastor.

Os aldeões tribais também atacaram uma das mulheres cristãs em 2016, disse ele.

“Eles invadiram a casa dela e espancaram-na gravemente. Ela gritou por socorro, mas os vizinhos, que também são adivasis, não vieram em seu socorro”, disse o pastor Veeti. “Na manhã seguinte, nós a enviamos para tratamento em um hospital próximo e também informamos a polícia. Mas a polícia disse às famílias cristãs para não se comprometerem e não fazer disso um problema.”

O pastor disse que os cristãos agora só buscam garantia da polícia de que as casas serão protegidas.

A polícia é tendenciosa e só diz aos cristãos que eles devem se submeter ao conselho da aldeia e aos rituais e práticas Adivasi, disse ele.

Proibição de compra

Outra família cristã, esta na aldeia de Charama, no estado de Kanker, não pode comprar comida e outras necessidades básicas devido à sua fé, disseram as fontes.

Os anciãos da aldeia realizaram uma reunião em 2 de maio para anunciar que os cristãos Vishweshwar Sahu, Shivprasad Sahu, Shravan Kumar e suas famílias foram condenados ao ostracismo.

“Desde o anúncio de 2 de maio, os lojistas da vila se recusam a vender até mesmo as necessidades básicas para nós, nem mesmo os grãos de alimentos”, disse Vishweshwar Sahu ao Morning Star News.

Proibição de trabalhar

No início deste ano, líderes da aldeia de Dargahan, no distrito de Dhamtari, convocaram oito famílias cristãs para anunciar que seriam economicamente condenadas ao ostracismo.

O conselho da aldeia disse a eles no dia 30 de março que havia decidido que os cristãos não poderiam trabalhar na aldeia, disse o morador local Rajaram Nisad. Os cristãos informaram imediatamente os policiais da delegacia de Karegaon, que convocaram ambas as partes para resolver um acordo sem efeito.

“Nos primeiros dois dias após a intervenção policial, os aldeões não nos perturbaram”, disse Nisad ao Morning Star News. “Mas depois disso, eles novamente começaram a nos assediar.”

A proibição do trabalho se estende ao movimento em Dargahan, disse ele.

“Nós viajamos para aldeias vizinhas para procurar trabalho”, disse ele. “Somos banidos de viajar em transportes públicos e outros veículos. Gastamos 1.000 rúpias [US $ 14] ou mais para contratar tratores de aldeias a 15 milhas de distância ”.

Qualquer um na vila que fala com os cristãos ou lhes oferece uma carona no veículo é multado em 5.000 rúpias (US $ 72), disse ele.

“Quando alguns de meus amigos tentaram falar comigo, foram multados em 500 rupias (US $ 7) cada por violar as regras”, disse ele.

A proibição de trabalhar na aldeia inclui o trabalho de suas terras, disse ele.

“Como nossas terras não são cultivadas há meses, temos escassez de grãos”, disse Nisad. ‘Mas os lojistas foram avisados ​​sobre venda de mercadorias para nós. Eles não moerão nosso trigo e não venderão também arroz ou óleo. Somos tratados como intocáveis, mas não paramos de nos reunir para o culto aos domingos.”

Ritual de Reconversão

Na aldeia de Darashiv no distrito de Champa, os seguidores de Satnami, que é semelhante ao sikhismo, organizaram em 12 de abril um ritual para reconverter os cristãos de volta à sua religião.

“Eles nos disseram que é um ritual para limpar a aldeia do cristianismo e nos obrigou a participar dela”, disse Yashoda Ratre, uma mãe de três filhos de 31 anos.

Os aldeões ordenaram aos cristãos que trouxessem paus de incenso e cocos para oferecer às suas divindades, disse ela.

“Nós nos recusamos a oferecer cocos ou nos curvar diante das divindades, mas três famílias cederam e renunciaram a Cristo”, disse Ratre ao Morning Star News.

Estas não foram as primeiras pressões que ela enfrentou. Quando Ratre se tornou a primeira pessoa em sua aldeia a depositar sua fé em Cristo, seu marido a abandonou e a seu bebê de 15 meses.

“Enfrentei humilhação em minha aldeia e disseram a meus pais que fui amaldiçoada por aceitar uma fé estrangeira”, disse Ratre. “Passei dias e noites jejuando e orando pela minha família para que também conhecessem a Cristo. Milagrosamente, em 2012, meu pai e seus quatro irmãos e suas famílias receberam Cristo ”.

Os aldeões vêm assediando-os desde então, ela disse. “Eles nos ameaçaram que eles parariam o fornecimento de água potável”, disse Ratre.

A família enfrentou inundações sem ajuda do governo por causa de sua fé, disse ela.

“Nós sobrevivemos a tempestades, inundações e fome”, disse Ratre. “O conselho da aldeia nos separou de aproveitar os benefícios e suprimentos emitidos pelo governo durante as enchentes, mas nosso Senhor tem sido fiel até o fim. Ele nos abençoou com o dobro do rendimento, e tivemos excedente por dois anos ”.

Depois que sua família se tornou cristã, eles conseguiram que ela se casasse com um pastor, Dildar Ratre.

“Agora somos abençoados com dois filhos”, disse Ratre.

Professora de uma creche rural, ela disse que mães de seus alunos frequentemente pedem a ela que ore por elas.

“Se eles me vêem passando por suas casas, eles me convidam e me pedem para falar sobre Jesus ou orar por seus filhos quando adoecem”, disse ela.

Ao mesmo tempo, Ratre se pergunta quanto tempo durará as hostilidades de muitos moradores.

“Os comerciantes foram ameaçados ​​por nos venderem suprimentos diários”, disse ela. “Estamos prontos para morrer de fome, mas não vamos deixar Cristo”.

Deixar ou morrer

As famílias cristãs da vila de Pondum, no distrito de Dantewada, receberam um ultimato: deixar a aldeia ou ser morto, disse o residente da área, Nandesh Veko, 15.

Incomodado com o aumento do número de cristãos, o conselho da aldeia em 6 de abril insultou Nandesh e disse às famílias de seus tios que deixassem a área, disse ele.

“Nós não nos reunimos para orações em Pondum e nunca realizamos uma grande reunião também, porque sabemos que os aldeões se oporiam e nos enquadrariam em casos falsos”, disse Nandesh.

Vizinhos alertam outros aldeões quando os cristãos adoram em suas casas, citando barulhos altos, embora os religiosos tribais usem música alta em casamentos ou festas sem problemas, disse ele.

“Quando as crianças dos vizinhos nos ouvem orando, aumentam o volume da TV, gritam e fazem ruídos estranhos, alguns sons fantasmagóricos”, disse Nandesh.

Os cristãos representam 1,92% do total de 25 milhões de habitantes do estado de Chhattisgarh, de acordo com os registros de 2011.

A Índia ocupa o décimo lugar na Lista Mundial da Perseguição 2019, da Missão Portas Abertas. O país estava em 31º em 2013, mas sua posição tem piorado a cada ano desde que Narendra Modi, do Partido Bharatiya Janata, chegou ao poder em 2014.

Folha Gospel com informações de Christian News