Culto
Culto

Nos últimos anos vários líderes evangélicos se envolveram em escândalos, sejam no Brasil ou no exterior, causando repercussões intensas nas igrejas. Agora, com o advento dos chamados “pastores celebridades”, um debate sobre os bônus e ônus desse tipo de abordagem está sendo travado.

A possibilidade de que os “pastores celebridades” sejam, mais uma vez, catalisadores de escândalos, deixando um rastro de caos e desilusão, é vista de forma preocupante por grande parte dos pastores que adotam uma postura menos “moderna” e, automaticamente, mais cautelosa na forma de comunicar o Evangelho.

Jimmy Evans, pastor sênior da Igreja Gateway, uma igreja com vários templos no estado do Texas (EUA), disse ao portal The Christian Post que o problema geralmente começa quando os pastores se isolam – dos outros, da responsabilidade e, em última análise, da verdade: “Somos todos seres humanos e acredito que os pastores que caem se colocam em uma posição de sigilo”, explicou ele. “Eu nunca conheci um pastor que não tivesse as mesmas tentações básicas que o outro cara. A diferença é como lidamos com isso”.

O isolamento, afirma Evans, é uma das maiores armas de satanás: “O diabo trabalha na escuridão. Como pastores, precisamos não nos colocar em uma posição de viver uma vida privada longe dos olhos dos outros. É por isso que os pastores caem e isso pode acontecer com qualquer pastor. É a maneira como nos comportamos, a maneira como nos relacionamos com as pessoas ao nosso redor, se somos honestos ou desonestos”.

Scott Sauls, pastor sênior da Christ Presbyterian Church em Nashville, Tennessee (EUA), autor do livro From Weakness to Strength: 8 Vulnerabilities That Can Bring Out the Best in Your Leadership (“Da Fraqueza à Força: 8 Vulnerabilidades Que Podem Fazer Surgir o Melhor em Sua Liderança”, em tradução livre), comentou que pastores se tornam mais suscetíveis ao isolamento enquanto seu ministério cresce.

“Quanto maior a sua igreja se torna, você começa a ter mais fãs e admiradores do que amigos reais. É muito importante estar cercado por pessoas próximas o suficiente de você, que possam expressar preocupação com você e seu caráter e ajudar a orientá-lo em direção a Cristo. Os pastores precisam acolher esse tipo de amizade, comunidade e responsabilidade”, opinou.

O fenômeno dos “pastores celebridades” é relativamente novo, e teve as redes sociais como veículo de ascensão. E enquanto o Evangelho é capaz de alcançar um território anteriormente inexplorado, assim, infelizmente, são escândalos dentro do Corpo de Cristo. O que uma vez permaneceu dentro das quatro paredes da igreja agora é capaz de se infiltrar em um mundo observador e desdenhoso.

Ronnie Floyd, pastor sênior da Igreja Cross de Northwest Arkansas, explicou que os seres humanos são feitos para adorar. Não é surpresa, então, que em uma cultura obcecada por celebridades, a adoração seja frequentemente direcionada a um pastor influente ou líder carismático da igreja, com o risco de se configurar idolatria. Mas quando os fiéis colocam seus pastores em pedestais os resultados são desastrosos.

“Há sempre o perigo de idolatrar um pastor. Mas eles são homens. E é disso que o país e a Igreja estão sendo lembrados – os pastores são apenas homens. Vivemos uma vida muito rápida hoje, e quando não tomamos cuidado, nos tornamos descuidados na maneira como vivemos. Não podemos baixar a guarda. É por isso que Deus diz: ‘Guarda seu coração’”, avaliou.

O pastor Scott Sauls aprofundou a questão, esclarecendo que o problema não está necessariamente no aspecto “celebridade”, pois ainda há ​​“pastores celebridades” que chegaram a esse status sem negociar princípios, pregando a verdade bíblica. “É por isso que temos os Francis Chan, Tim Kellers e outros do mundo”.

É fato que há pessoas que frequentam igrejas famosas e megaigrejas não estão comprometidas com Cristo ou com Sua Igreja. Pelo contrário: a lealdade dessas pessoas está com o pastor influente. Infelizmente, disse Sauls, esses líderes podem ter dons extraordinários – mas caráter questionável: “E é por isso que vemos uma falta de humildade e às vezes até um colapso moral, mesmo entre pastores conhecidos”.

“Manter-se ancorado na verdade e os simples aspectos ordinários da fidelidade diária, eu acho, é muito mais importante do que perseguir sermões espetaculares e eventos espetaculares de adoração. É muito melhor ser pastoreado e liderado por uma pessoa com presentes medianos, mas um personagem bonito, do que por alguém com dons incríveis, mas com caráter mediano ou abaixo da média”, finalizou.

Fonte: Gospel +