Pastor Anderson do Carmo, vereador Misael e a deputada Flordelis Foto: Reprodução
Pastor Anderson do Carmo, vereador Misael e a deputada Flordelis Foto: Reprodução

Na última quarta-feira (10), a deputada federal exonerou uma de suas noras, Luana Vedovi Rangel Pimenta. Ela é esposa de Wagner de Andrade Pimenta, conhecido como vereador Misael, eleito por São Gonçalo.

Apesar de gerar questionamentos, a medida aconteceu após Misael exonerar diversas pessoas ligadas à pastora de seu gabinete.

Cristiana Rangel e Marzy Teixeira da Silva, filhas de Flordelis, e Marcelle Lourenço, que é nora, foram exoneradas do gabinete do vereador na terça-feira (9). Douglas de Almeida Ribeiro, um amigo da família, também foi exonerado.

Misael é um dos filhos adotivos de Flordelis e Anderson do Carmo e recentemente rompeu com a deputada, dias após a morte do pastor. Após a divergência, ele decidiu exonerar pessoas ligadas a Flordelis e nomear aqueles que ficaram do seu lado.

Um dos indícios de desgaste na relação entre Flordelis e Misael foi a decisão do vereador, que também é pastor, de deixar o ministério Flordelis, fundado pelos pais. Eleito como “Misael da Flordelis”, o vereador decidiu retirar o nome da mãe de suas redes sociais, ficando apenas como “Misael”.

O caso

O pastor Anderson do Carmo foi assassinado na madrugada de domingo (16) na garagem de casa, em Pendotiba, Niterói (RJ). O laudo mostrou 30 perfurações pelo corpo, a maior parte nas costas, peito e região da virilha.

Anderson era casado há 25 anos com Flordelis, pastora e deputada federal pelo Rio de Janeiro. Sempre ao lado da esposa, ele atuava como secretário-geral do PSD no Estado.

Dois filhos da pastora estão presos preventivamente, Lucas dos Santos, de 18 anos, e Flávio dos Santos Rodrigues, de 38 anos. O mais velho assumiu ter efetuado seis tiros. Lucas teria ajudado comprando a arma, mas não estaria em casa no momento dos disparos. Os agentes ainda estão investigando os pontos contraditórios.

Um terceiro filho teria afirmado, em depoimento, que não ouviu discussão, barulho de carro ou moto em fuga. Que quando chegou na cena do crime encontrou o irmão Flávio próximo ao pai, caído. Ele garantiu ainda que o celular de Anderson, que está sumido, foi entregue a Flordelis.

Ainda em depoimento, o filho disse que o pastor já recebeu uma mensagem com ameaça de morte e uma das irmãs ofereceu R$ 10 mil a Lucas para que cometesse o crime. Flordelis e três filhas já teriam colocado remédios na comida de Anderson, por isso, sua saúde estava debilitada.

Fonte: Pleno News