Rodrigo Duterte, presidente das Filipinas
Rodrigo Duterte, presidente das Filipinas

O governo filipino congelou as contas bancárias de uma organização da igreja que critica o governo do presidente Rodrigo Duterte por “causa provável”, alegando que estão “relacionados ao financiamento do terrorismo”.

O UCA News relata que o Conselho de Combate à Lavagem de Dinheiro (AMLC, sigla em inglês) do governo ordenou um congelamento de 20 dias em três das contas de Missionários Rurais das Filipinas (RMP, sigla em inglês) no Banco das Ilhas Filipinas.

Em dezembro de 2019, a AMLC também ordenou que o banco enviasse detalhes das contas bancárias relacionadas e propôs a apresentação de uma petição perante o Tribunal de Apelações para estender a ordem de congelamento para seis meses.

Em uma declaração, o RMP expressou sua “maior consternação” com o conselho, dizendo que a decisão “dificulta muito nossa missão de testemunhar e agir coletivamente como discípulos de Cristo com os pobres da zona rural”.

“Negamos veementemente o envolvimento em qualquer forma de financiamento do terrorismo”, afirmou. “As doações e fundos recebidos pelo RMP são usados ​​para implementar projetos e programas para ajudar os marginalizados e oprimidos. Em contraste com a falsa narrativa do governo, o RMP fornece serviços muito necessários para comunidades rurais em todo o país há 50 anos. Temos nossa missão e parceiros da comunidade para confirmar isso. ”

O grupo, estabelecido em 15 de agosto de 1969, como parceiro de missão da Associação dos Superiores Religiosos Maiores, disse que foi repetidamente acusado por autoridades de segurança do governo de ter vínculos com rebeldes comunistas.

“Fomos acusados ​​de ser uma frente comunista e terrorista. Nossos membros foram assediados e ameaçados, forçando alguns a procurar santuário em outro lugar ”, dizia a declaração do grupo.

Na região filipina de Mindanao, no sul, as escolas administradas pela organização foram fechadas recentemente. Vários membros seniores do RMP também foram acusados ​​de vários crimes, incluindo perjúrio, incêndio criminoso, sequestro e roubo.

Em sua declaração, o grupo disse que “ajudar os pobres, como cristãos que vivem concretamente a sua fé é imperativa e seguem o mandato da igreja para estabelecer a Igreja dos Pobres, colocará em risco sua liberdade e vida”.

Apesar da contrariedade, o grupo prometeu “cumprir seu compromisso de ser líder de servos com agricultores, pescadores, trabalhadores agrícolas e povos indígenas pobres, para que todos possam realmente experimentar a compaixão e a misericórdia de Deus no aqui e agora”.

O RMP criticou abertamente  Duterte por sua “guerra às drogas”, que levou à morte de mais de 12.000 filipinos , principalmente pobres urbanos. O grupo acusou o líder filipino de contribuir para o “agravamento da pobreza e intensificação da violência” nas Filipinas. 

No ano passado, a Associação das Nações do Sudeste Asiático emitiu um relatório alertando contra o esforço contínuo de Duterte para atingir as instituições democráticas do país com uma “repressão sem precedentes” aos críticos.

Ele acusou Duterte de “usar acusações criminais, ameaças e intimidações, bem como uma série de outras táticas para subverter a democracia”.

O relatório também observou que o presidente ou seu governo dirigia uma retórica “dura”, “agressiva” e “altamente misógina” em relação a seus críticos.

Folha Gospel com informações de The Christian Post