"Caminho da Fé", drama religioso produzido pela Netflix

O pastor Ernane Washington Léo da Igreja Batista da Lagoinha em Belo Horizonte, Minas Gerais, acusou o filme A Caminho da Fé, produzido pela Netflix, de heresia. O filme aparenta levar uma mensagem cristã, mas mostra um líder que passa a acreditar no Universalismo, uma doutrina que afirma que todos os homens terão a salvação eterna, em virtude da bondade de Deus.

Ao conferir o longa, o pastor Ernane conta que pensou se tratar de um filme cristão, mas entendeu que é uma grave ameaça ao cristianismo. Na trama, o pastor de uma igreja de 6 mil membros começa a questionar sua fé após ver notícias sobre o sofrimento das pessoas no continente africano.

“A princípio eu pensei que esse filme fosse efetivamente uma história cristã, um exemplo de vida prática para a igreja dos dias de hoje. Eu assisti esperando uma mensagem que me levasse uma nova compreensão de fé em Cristo, porém o que eu constatei depois é que na verdade eles fazem uma justificativa do erro. O filme é uma justificativa do erro, porém mal feita e contraditório”, disse Ernane.

O pastor listou ensinamentos errados que o filme transmite. O primeiro deles é se nós devemos ter medo de Deus. “O filme apresenta o cristianismo com ponto de vista totalmente dogmático, em que Deus é aquele homem de barba todo poderoso que você tem que ter medo dele. Porque ele pode te condenar por causa dos teus erros. Esse é o Deus que eles apresentam e esse não é o Deus do cristianismo. O nosso Deus é um Deus de amor e de paz, mas também é um Deus de justiça. Nós não devemos confundir temor com medo”, diz Ernane.

Universalismo

O pastor explica que a trama afirma que todas as pessoas serão salvas. “Jesus morreu para todos, então todos estão salvos? A questão é que existe qualquer tipo de conversa e existem argumentos, verdades. Nós precisamos saber diferenciar o que são argumentos e o que são verdades. Jesus morreu por todo mundo. É um argumento. Mas não são todos que serão salvos”, coloca.

O pastor lembra da passagem de João 8:36. “Se, pois, o Filho vos libertar, verdadeiramente sereis livres”. Ele continua: “Existem princípios e valores na sua mente que te controlam. A sua própria natureza pode controlar sua carne. A liberdade era o que Adão e Eva tinham no Paraíso. A liberdade está em Deus, porque só Ele é fonte de vida. Se você está em Deus você é uma pessoa livre, se você não está em Deus você não tem liberdade”, disse.

“Se a pessoa não está em Deus ela não é livre, ela só tem capacidade de escolhas. Ela só consegue escolher entre A e entre B. Há pessoas que estão na igreja e não são totalmente livres. O pecado a domina, ela não vive a vida real. Ela vive a Matrix da vida, ela vive o mundo simulado, criado pelos valores do mundo, da carne, da cobiça, da prostituição”, ressalta.

“Tudo isso que domina o coração do homem faz com que ele seja. É necessário que nós sejamos libertos, que nós tenhamos o contato com Cristo e esse contato vem de confessar os seus pecados para Deus, reconhecendo que Ele é o seu Salvador. A partir desse momento você é salvo. Antes disso não”, salienta.

Fonte: Guia-me